PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

PSCR1435

1620. Carta de António de Castro Pinto, cirurgião, para [Jorge Fernandes, padre].

Author(s)

António de Castro Pinto      

Addressee(s)

Jorge Fernandes                        

Summary

O autor defende-se de acusações injustas, exige a devolução de uma égua que lhe foi tirada e admoesta o destinatário.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Não entendi, q homen do abito de Vm quissese enrgrar hũa falta como esta antes he boa proximidade deseja por tudo paz e olhar q não a nhũ q não erre e não caia en fraquezas vendo vm meu pessar e arependimto devia levar isso per milhor modo do q ho leva q me dizen vm negoçea tudo e e nese casso a manilha mas dizẽme q e mto seu devoto seja enbora q eu não tenho de meu mais q perder na tera q essa egoa e q a perda pouco se perde mas sinto o q se me faz activo e per passivo estou pe, castela outro en pertugall não a boa obra q se não page e coãdo na terra se não poden paguar pagase na outra vida não era meu inteto fazer mall a ningen deses sors mas po gomez deste izeda negoçiou tudo o fo da va onde estavamos poussados ele foi chamou o juiz q eu não sabia as cassas algu-selo nen os nomes dos mors e mãoçebo d alen coãodo forão o pus ele e dentro ben sabe q eu não o conhecia e q po gomes era o agresor de tudo o fo da va e o juiz e não se descullpen porq eu estou como lhe digo não me enojẽ nen tomẽ soberbo q coãodo cuidamos estamos milhor então damos qedas, não lhe pareça q a min sso agravão e coãodo se fora so o sei agardeçer não queria q essa egoa fose azo de ma ventura mais do q ten sido q me não a de esqueçer isso toda minha vida e ja sei algu sseco q nunqua o soubera e tivera quebra das mas pernas, pois, Vm me levou a minha egoa donde estava seja servido entregarma q ja agora não o faço pela valia dela e me mãode reposta de tudo pra me eu lhe perder as suidades e vm não sei se me vio algũ dia - porq se me vira conheçerame por seu criado inda q pasasse esa parvoise depois de çea e veio la o fo da va q foi chamar o juiz e o juiz sabia da picardia q não ia não sia enganado nen eu abri portas algũas como dirão se quiseren falar verdade q o juiz as abrio todas como e verdade porq eu não fazia mais q rir como, e verdade não me seja vm parte nen eses sors o queirão ser a minha egoa me mãoden de mais velen coãoto quiseren e se la diseren q eu me nomeiava por fameliar não e verdade nen avera pa q tall diga verdade coãdo velen de min e me cullpen minha fazenda não se toma a força e taé gora agoardo sua cortesia q não faltara qen ande coãdo seja neçessario esse capote ben se ssabe não e meu q o le-vei pra o frio. ben ssabẽ vs ms q se não fojira não erão partes pa me tomar a egoa mas ouve vergonha de ir tão ma cõpanha Vm se como milhor lhe pareçer q coãdo a egoa fora obrigatoria estar la vm ma ouvera de q o mesmo lhe ou-vera de fazer q nunca me negei pra os homẽs onrados deste criado de Vm oje 29 de março de 1620

Anto de crasto pinto

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXTSentence view