PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
Maarten Janssen, 2014-

PSCR1281

[1600]. Carta de Álvaro Vaz para a Inquisição de Lisboa.

Author(s)

Álvaro Vaz      

Addressee(s)

Mesa da Inquisição de Lisboa                        

Summary

O autor dirige-se à Inquisição de Lisboa, dando conta das injustiças que dizia ter sofrido perante a própria Inquisição e, pedindo, por isso, intervenção na restituição da sua honra e bom nome.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Snres

Deus seja servido de vos mandar por ob por obra, en exsequucão a obri-gação que tendes de restituirdes a honra de Ds, e meu estado, e os males que occasionastes os pecados de testimunhos falsos de que vos fostes a causa Snres Inquisidores, que vos certifico que se não cõtenta o demonio vinte testimunhos falsos cada dia, mas usa de vos como de ins-trumentos pa enlassar as almas tantos testimunhos falsos como Eu sei de certa sciencia per permissão de juisos de Ds scondidos, no qual vos cuidais q faseis obsequio, a Xpõ mas Ds sera o juis de nossas obras. quatro vezes vos escrevi per mandado de meus cõfessores retratandome, e disdisendome dos testimunhos falsos q me fisestes faser, e tanto o ei de faser ainda a adiante quero diser cõtinuar esta retratação, ate saber onde quer que eu estiver ser plenissimamete feita a restituição pblica a q sois obrigados pa o qual vos requeiro da parte de Ds obrigando vos sub poena de maldicão de Ds se ho não fiserdes, perq tudo falsamẽte me fisestes diser e fasei medo q podia cair hum varão mui cõstante pa ho qual bastão ameassos de hũa desestrada morte e daqui fica claro q a sentença foi falsa, e de nhũ vigor ou força. e q injustamẽte me tomastes o patrimonio de meu sacerdosio, e vos obrigo q não somẽte Portugal todos os bispados mandeis publicar esta restauração a q Ds vos obriga, mas en todas as partes, terras e regioens aonde chegou a fama das tais falsidades per vos causadas. prova do qual dou a Ds e a todo o mundo a versão de almas q precuro, e troco todos os trabalhos pola redução de duas pesoas as quais Eu mediante a graça de Jesũ Xpõ negocei, instrui, e trabalhei per provas, e doctrina, e instrucão q Eu lhe alcancei, e dei per ser iso licença de certo superior q tinha jurisdicão pa isso pa q fossem absolutos de de suas heresias; e aprendo diferentes linguoas pa nelas servir e a meu sor Jesu Xpõ conversão de almas, pois q hũa lingua portuguesa me fisestes offender a meu sor Jesu Xpõ, cuja vestidura vos espadacais e rompeis, escadalisando seus menbros, e catholicos, e dando lhe ocasião de pecados mortais e testimunhos falsos, e perdisão de almas per vos causada; q são ou servẽ sem falta as casas da Inquisisão de Portugal de escolas de heresias, e judaismos, e entrando catholicos tornão hereticos, ho qual sei de certa sciencia, como quẽ sua versão e reducão ao gremio da Igreja Romana, e a Jesu Xpõ deseja trabalhar per todas as partes do mundo, e ja comecou de ser isto, ainda q a risco grande, e Ds fara q as almas q a inquisão de Portugal apartou de Jesu Xpõ por mim ainda q a custa da vida sejão a seu amor restituidas. E assi vos declaro q legitimamẽte tive intencão de ser ordenado todas as ordens q recebi, e legitimamẽte exercitei, fis, e celebrei todos os sacramẽtos q celebrei, e divida intensão sempre, e assi seja eu absoluto de meus pecados a hora da morte e alcance a misericordia de meu sor Jesu Xpõ como eu tive sempre intencão de absolver os penitẽtes q a mim se cõfessavão, e tanto q algũas vezes escrupulo repetia a forma da absolvição, e vos certifico q polos serviços q o demonio via q Eu fasia a Jesu Xpõ meu sor nas cõfissões, precurou testimunhos falsos cõtra mim por meio dos mesmos Inquisidores, perq cõfissões de muitos annos invalidas me vinhão a mão, e principalmẽte ocasião da pregação q Eu fasia no sermão do demonio mudo na quaresma. E não esta Pero de navais o padre da cõpanhia livre de grande culpa q elle seus cõselhos perveteo meu espiritu disendo lhe Eu q mim nũqua ouvera culpas obrigadas a Inquisisão, mais q pensamẽtos interiores dos quais me cõfessava, e per vẽtura q muitas veses na resistẽtia, q Eu fasia, avia merecimẽto, todavia de tal modo me ẽbaracou, junto isto aos ameassos dos Inquisidores, q ja eu desia mais falsidades do q elles querião. de modo q servẽ as Inquisisões de Portugal de Alfandegas do inferno, e de tributo de peccados mortais e juramẽtos falsos ao diabo. ho q tudo a sentença injusta cõtra mim se deu, e falsidades q passão portugal, e testimunhos falsos, e minha injusta deshonra Eu ei de publicar per todo o mũdo, e per escrito se a de divulgar. donde fica claro q injustamẽte fisestes mal a pesoas per causa de minha saida, a aqual per direito natural todos podião mais ajudar, q por obedecer a vos, estorvala, e assi o fes o padre Estevão Gil cõfessor a quẽ pedi me cõf encomendasse a são felix. e certificou os q se, depois de muitos serviços de Ds q spero faser, ouver obrigacão de me presentar a vos pa vos reprehender de causa q destes a meus peccados o farei cõselho de cõfessores como Catholico q fui, sou, ei de acabar ajudando me a graça divina, e se não ouver obrigação de assi presentarme, e ser sendo a jornada cõprida e desnecessaria empregarei mais a cõversão das almas a Jesu Xpõ recõpẽsasão das almas q per vossa causa são tiradas do caminho da lei de Xpo Jesu sor meu, cujo sou e a quẽ desejo servir e nelle acabar. Ds vos de faserdes o q deveis disei ao Arcebispo de Evora q se cõsole q sẽpre fui mais catholico q os seu Corbhuxes e q se glorie de terme por cõversor de almas a Xpo Jesu.

Alvaro Vaz Sacerdote portugues peccador

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload textSentence view