PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

PSCR1139

1592. Carta de António do Vale de Vasconcelos para Estêvão de Brito Freire.

Author(s)

António do Vale de Vasconcelos      

Addressee(s)

Estêvão de Brito Freire                        

Summary

O autor dá notícias suas e informa que voltou a casar.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Meu Snnor e amigo d alma

Em todas as partes honde me achei destas Capitanias esCrevi a vm largamente de minha viagem e trabalhos e se não foi tan largo Como elles forão pa Comigo foi por não enfadar a vm Com escripturas Compridas agora dou Conta a vm do fin de meus trabalhos e de meus prosperos susesos sabera vm Como estando nesta Capitania de São ViCente ja de todo estrenquado de Reales vestidos e das demais Cousas necesarias a minha trabalhosa viagem chegou navio ao Rio de Janeiro e nelle veio homẽ conhesido meu e da minha gente o qual espantado de me ver en tal terra e de achar na tal novas minhas soube como eu estava nesta Capitania de São Vicente e logo en hũa Caravelinha que partio me escreveo que fose ter Com elle e quando não que por aquella saberia as novas da minha terra e gente da qual Carta soube ser morta aquella dama que vm sabe que me enContraria neste prospero soseso e novo estado en que fico e neste instante quis ds por sua miseriCordia lenbrarse de mim que permitio tratarse casamto que ja se tratava dantes Comigo e não se fasia somtes por esperarẽ meu consentimto o qual Con tal nova me aConselhei Comigo e Con o tempo e Con o estado en que estava e ouve por bem Consentir nelle e logo se afeitoou e asim fico Casado ja Recebido e Contente de meu ben afortunado soseso porque achei os Comodos que en tal tempo me pertensião achei hũa molher virtuosa e homrada e Riqua Con a qual me derão oito mil Crusados antes mais que menos os quais tenho por mais neste tempo que noutro outros muitos prinCipalmente por estar en tempo e chegar me ds a elle que posso servir a vm e mostrar a Verdade por obra que Minhas palavras apregoam por este portador não mando a vm nenhũa Cousa por ser Recebido de tres ou quatro dias como elle dira a vm e não tenho aInda nada de meu mas polo primro navio que for irão algũs mimos inportantes que vm se posa selebrar minhas vodas E Inda que sou serto nesta terra Com vm daqui a quatro meses ou sinco querendo noso sennor ja Irei por Capitão e senhor de Caravelão que elle e a pesoa e fama e fazenda se sacrificara e gastara toda no serviso de vm e ese sera o gosto de ser tan serto servidor e amigo e dou minha palavra que o seje tanto mais do que fora sendo Cousa sua propia e não enCareso mais porque não ha pa que porque estou bem Crente e serto em vm saber esta verdade esta Carta não mostre a ningẽ porque não ha pa que se saiba isto ca enCubra vm meus segredos Como eu fizera ofereCendose os e me cairam em minhas maos la esCrevo ao Snor don frco de sousa seu tio e ao snor don Antonio e a frco mas clrarmente sen particularidades algũas vm se se corronper pola terra algũa cousa sobre a dama de portugal e não declaro mais porque sei que me entende vm me fara en defender isso Como a rezão o obrigua e ho mo deve demais e irei mui sedo feito mercador a essas partes donde me leva os desejos de ver a vm e so estes e estas esperansas me sostentão a dama Con que fico casado he filha do Capitão Jeronimo leitão que ate agora o foi nesta Capitania de São Vicente não enComendo mais isto que asima diguo porque vivo Con vm mui Confiado a quen niso pode o que pode e o que lhe eu desejo oje 10 de marco de 92, quando me escrever escrevame reCatado as mais omrras que vm nas suas me puder dar e asim Como me asino me escreva bezo as maos a vm

Seu Amigo d alma Anto do Valle de Vasconcellos

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXTSentence view