PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

PSCR0635

[1788-1790]. Carta de Nicolau de Santo Agostinho, padre, para Ana Vitória.

Author(s)

Nicolau de Santo Agostinho      

Addressee(s)

Ana Vitória                        

Summary

O autor escreve a Ana Vitória apaziguando as suas inquietações, já que a destinatária, numa carta enviada ao padre, se terá demonstrado preocupada com a sua conduta fora do usual. O autor encoraja-a a pensar que isso são ações do demónio e que a sua atitude é exemplar, já que recorria sempre à ajuda de alguém da Igreja quando tinha pensamentos ou ações menos escorreitos.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

J M J,

Minha mto amada filha em Jezus Christo este Sr te assista sempre com a sua di-vina graça pa q em tudo acertes a fazer a sua ssma vonte Recebi a tua carta, e no q Respei-ta á repugnancia, q sentes pa me escrever, bem podes supor q he cauzada pello demo-nio, como o era tãobem a repugnancia, q tinhas pa te hires confessar comigo, deves vencer esta repugnancia pa assim triunfares de teu inimigo; e podes escrever com todo o dezem-baraço, q eu não me escandalizo de couza alguma, q tu me dizes. O q quero he q sejas bem amiga de N Sr e q o sirvas com cuido e diligencia, e q não largues mão da obra q começastes, e de mais nada faço cazo especialmte do q pertence a mim. Eu sempre Respondo a tudo o q me parece ser precizo, e conveniente pa o socego da tua conciencia, e se a alguma couza não respondo, será couza de pouca importancia, mas tu dize, e escreve como quizeres, q eu bem entendo a tua letra, nem me aborreço das tuas cartas. Essas persuaçoens, q tens sobre este ponto são desconfianças tuas atiçadas pello demonio pa ver se deixas de escrever. Não lhe faças o gosto, e se em escrever tens mortificação, e trabalho, offereceo a N Sr e faze-o pello seu amor, q sempre nisso tens mericimto O peyor he andares tu emteada com teas de aranha, e não estares pello q eu te digo. He certo q eu te tratei tempo bastante, tenho conhecimto da tua conciencia, das tuas tentaçoens, e dos teus escrupulos, e podes se-guramte estar pello q eu te disser; pois julgo q agora não fazes outra casta de peccados, nem tens mais do q então tinhas, e sendo isto assim q precizão de tens de te confessar das ten-taçoens senão em geral, sem explicar couza alguma em particular? Isto he o q deves fazer pa teres socego, e não te fazeres pezada aos Padres, nem te pores em estado de te não poderes confessar, q isso he o q o demonio pertende; Cuida em fazer a tua oração, e não faltar a ella sem motivo, ou cauza mto justa, e supra esta falta, qdo a tiveres, com a preza de N Sr e foge logo pa elle qdo sentires alguma tentação, e não te ponhas nunca a exa-minar como esta foi; porq isto he mto prejudicial a Pessoas escrupulozas, como tu es. Con-fia em Ds e espera nelle, e faze actos de amor seu, e entregas do teu Coração; porque o amor de Ds he q te ha de illustrar o entendimto pa condenares essas parvoices com que andes enredada. Amor, filha, amor, e humilde são as virtudes, em q mais te deves exercitar e conformide com a vonte de N Sr E como mtas dessas couzas, q experimentas são obras do demonio, eu lhe mando em virtude do ssmo Nome de Jezus, q de todo se aparte de ti, e te não persiga de sorte alguma, nem com sono pella manham, nem com moleza, nem com fastio, nem de outra alguma sorte, mas q desde ja suspenda toda, e qualquer operação q em ti tenha, e te deixe de todo Livre pa poderes servir a N Sr com todo o dezafogo, e dezembaraço, e tu tem animo, e . Encomendame a No Sr q te gde como mto dezejo, abraze no Sto amor.

Faro vinte e nove de Julho. Fr Nicoláo.

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXTSentence view