PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

PSCR0566

1755. Carta de Teodósio Machado de Andrade, alfaiate, para António Correia de Araújo Portugal, entalhador.

Author(s)

Teodósio Machado de Andrade      

Addressee(s)

António Correia de Araújo Portugal                        

Summary

O autor diz ao amigo que vai tentar obter a certidão da morte da mulher deste, anteriormente referida por um conhecido de ambos mas nunca confirmada.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Sor Capm Mor Anto Correya de Aro Portugal

Amo do Corasão cheguei a ma caza bespora de natal com boma viaije e felis saude, estimarei q esta o ache a Vm com a mesma porq lha dezeijo mui continuada e mandeme Vm em ocaziois de lhe dar gosto,

amo o portador de dizer a Vm o eiseso que fis nos seus particulares, porq no girmuavo o Rdo P Jozeph euzevio por dar gosto a Vm Escreveo ao tenente Migel Masiel pa mandar a vila do Itacru correr os Banhos e com efeito vim Bem direi fura a sua caza e deichei ficar dero pa sertidão e os dois reconhesimtos emtendo coando chegar o portador a caza do dito Masiel estara pronto; na misão da cana Brava não achei seu Irmão falei com Manoel franco e lhe deichei as cartas mas falando eu sobre a Igreija do girmuavo e o dezeijo q Vm tem de q se ponha na ultima porfissão, diseme q o sor seo Irmão não avera dar conprimto ao seo dezeijo e q caresia de qm tivese mais fogo de servir a Vm ponderando o risco de Vm e dezeijo do seo sosego: E colhendo eu dele vontade de servir a Vm lhe pedi tomase a seu cargo a da empreza, respondeu me q com boma vontade porem sem dro nem elle nem seo Irmão poderia fazelo por por ser presizo dero pa pagar a ofesiais e q nos creditos q devem a Vm se não podião ater por serem Reais ditas: Em cuijos termos Eu por dezeijar sosego a Vm ajustei com elle q nos dias santos do natal fose ao girmuavo ver a dita obra e falar com o Rdo Vigro pera este propio hir pello misão da cana brava e Manoel franco Escrever a Vm o q pasou e o q se carese: Emtendo asim o faria e de tudo ha de avizar a Vm e tambem o Rdo Vigro, e se Vm dezeija o seu sosego, digo q com toda a presa mande Vm ao dito Rdo Vigro visto por não a verdero mandar gado pa se apurar com q se va pagando a qm trabalha, pois Manoel franco o acho capas de lhe tirar as barbas de bergonha, e veija não descanse neste par chegei como digo bespora de festa a ma caza e logo sobre os dias santos vim pa a side donde inda fico deregido a servir a Vm na sua justeficasão dei a carta a Pedro barboza sigurame o dito ser falesida sua companheira e q morrera em braga donde estava moradora por asim lhe avizar sua Molher, porem no q respta a justificasão não ha testemunhas, o mesmo emtendo asim escreve a Vm Pedro Barboza e q fica serto de escrever neste avizo pa pa a sua gente pa mandarem sertidão reconhesida do seo falesimto esteija Vm serto q eu terei cuido de q não esquesão e estara aqui na frota: disme mais ser serto ser morta a Molher do Dor seo cunhado, foi a praiia a caza do capam gorgorio Prra saber se tinha serteza disto tambem me dise que seo cunhado lhe tinha escripto de huas mortes e q buscaria as cartas pa rialmte se sigurar o q dezião: mas por mais delegensia q fes não apareserão por não serem cartas de emportansia: com q meu amo tenha pasiensia q a sertidão estara aqui estes seis mezes e eu e Pedro barboza ficamos com hese cuidado, nem tenho mais q lhe dizer neste par dou tambem pte a Vm em como fui bem sosedido com as cartas de Vm e do sor capam Mor pa o Rdo Vigro porqto o do fiado nas ditas cartas comproume as novilhas e os boiotes e logo me setisfes em dro que sabe Deus o qto lhe agradesi pa me aliviar de sertas pontadas q me presegião Estimarei fazerlhe Vm bom pagamto pois nada Vm ha de perder com elle, he tudo o q poso dizer a Vm a quem Ds gde mtos annos hoije na Ba 20 de Janro de 1755 annos

De Vm amo do corasão Theodozio Machado de Andre

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXT