PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

PSCR0565

1759. Carta de Pedro Barboza Pereira, mestre entalhador, para António Correia de Araújo Portugal, entalhador.

Author(s)

Pedro Barboza Pereira      

Addressee(s)

António Correia de Araújo Portugal                        

Summary

O autor dá ao amigo alguns conselhos, de modo a evitar um castigo mais grave: diz-lhe que deve enviar ao Santo Ofício uma folha de papel assinada, contando porque pensava que a primeira mulher estava morta.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Snr Cappm Antonio Corra Portugal

Amo e Snr serve esta de saber da sua saude e tambem de lhe dar parte da minha pa o que for servido.

Amo e Snr nesta Ba haverâ couza de tres mezes pouco mais ou menos esteve nesta sua caza hum sugto nosso Patricio asistente nesses certoens, e por elle escrevi ao Snr capm mor Bento da Sa como na que agora mando digo, e repito com dizer que em 5 de Janro de 1758 era a Snra Phellippa sua mer viva segundo o avizo que me veyo certo, e ja a Vm fiz como asima digo

Agora meo amo que remedio ao feito, e concelho ao por fazer, o remedio ao feito, he Vm mandar huã folha de papel asignada por vm não seria desacerto vir reconhecida essa asignatura pelo seo Rdo Parocho, ou Vigro geral, que nessa terra haja, ou por seus coadjutores de sorte que fique abacho lugar pa se reconhecer por hum Tabaliam dessa mesma Terra pa nessa folha de papel se dar a conta feita por letrado nesta Cide expondosse nella o voato que correo da morte sendo depoiz da verde sabida a que havia morrido ser sua cunhada mer de seo Iro Fulano, cuja conta, ou accuzação aquelle Santo e Pio tribunal se ha de dar, pelo Rdo Conego Bernardo Germano de Almda Commissario do Santo Officio, a qm vem e vão todas as ordens do mesmo Tribunal, e se ha de Alegar nesta conta, que vm se acha incapacitado de poder hir dar a propria conta ao Santo Tribunal que he o que se costuma fazer pa não haver castigo, que se possa sentir porque em tal cazo, os castigos communs aos q cay em semilhe culpa não se acuzando são asoutados pellas ruas publicas em tanto, ou qto tempo de degredo, e prizão nas Galês, e o depoiz hir pa a sua primra mulher, e dandosse a conta não corre senão huã suma piede daquelle Tribunal fazendo hir pa sua primra mulher, asim me remeta vm em papel a parte expondo o cazo do voato e a justificacão q se fez e o procedimto com que o vezitador o fez receber, o mais particullar do concobinato enformarei ao letrado que houver de fazer a parte, o Snr seo Iro aqui chegou a esta sua Caza com bastante ancia sobre este particullar e he o mesmo portador desta, porq certamte tem sentido e sente estas couzas sucedidas he o q se me offre dizer a vm q DEos Gde ms ans Ba 2 de Março de 1759

De Vm Amo mto venor e C Pedro Barboza Pra


Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXTSentence view