PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

PSCR0539

[1767]. Carta de Manuel de Aragão Costa, padre confessor, para Rita Gertrudes.

Author(s)

Manuel de Aragão Costa      

Addressee(s)

Rita Gertrudes                        

Summary

O autor informa a sua antiga filha espiritual de que os seus atos não tinham intenções ilícitas e que esperará pela decisão das autoridades competentes.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Charissima Irmãa

Como tenho expressa licensa de v charide para responder ao que me insinua ter feito na ulti-ma confissão, que na çella lhe ouvi, e serme licito na opinião mais proucível ou dos Bons fallar da dita confissão com a penitente sem ofender o sigillo: agradesso em primeiro lugar a quem a man-dou fazerme esta admoestação, a charide sendo mais certa a opinião que em semilhantes cazos se- não deve erar.

Mas como a defeza he de dereito natural (e o mais que aqui se podia dizer) princi-palmte não estando naquella maxima certa de sofrer sem disculpa, quem nosso conceito tem tam pouco temor de Ds quero dar as rezoins de facto, que obrei pa tirar o seo scrupullo, e ver, e considerar se assim socedeo.

Primeiramte o solicitar, ou provocar pa actos illicitos, ou deshonesos em seo verdadeiro sentido he o mesmo, que atrahir com afagos, mover, e tentar pa actos venereos e inhonestos com algũ signal exterior, palavras, rogos, tactos, e açenos amatorios. como he doutrina dos salm tom 9o tract 21 cap 4o punt 3.62 n 22 etc. isto suposto vamos ao facto.

Cheguei a cella de v charide e âchei sem dar acordo de si; bradeilhe, e pegueilhe na cabessa, e nada me respondeo. puslhe meos preceitos, ou o que Ds me inspirou (e aqui devo eu profundamte adorar os seos juizos de Ds) e chegando o ouvido a sua faça comessou v charide a dizerme estava dando os ultimos alentos da vida. eu a persuadi a huã total resignação na vontade de Ds e então foi v charide tomando mais alento, e foi confessandosse e pa o fazer bem me pedio com mtas lagrimas perdão do me ter largado tendo sido ma filha spiritual ao que eu respondi chorando tambem chegando a ma face a sua, e correndolhe a mão pella cabessa não se desconsollasse que eu lhe perdoava, e lhe pedia perdão do mto que a tinha mortificado; e outras palavras de consollar huã alma tam aflicta.

Ora veja v charide se este chegar á façe sua, ou correr a mão pella cabessa, ou pegarlhe na mão em similhante conflicto, eu chorando, e v charide tambem, se se pode aplicar a doutrina asima referida

Porêm como me pede não torne a obrar couza semilhante, ô farei com tal exacção que nem em confissão (pois em cazo de não haver na terra outro sacerdote, e V charide morrendo a confessarei) nem fora della mais terei communicassão com v c

Não me ponho a discorrer o que daqui se segue deicho isto a ponderação de quem a aconçelhou, que o fazem como lho pintão e ultimamte pesso a v c guarde este papel pa pare-çer em publico se for percizo que bem sabe com quanta verdade he feito o mais fica pa Ds que a gde a Vsra.


Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXTSentence view