PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

PSCR0529

1781. Carta de José de Saldanha, militar, geógrafo e astrónomo, para a sua mulher, Mariana Efigénia da Fonseca Pereira.

Author(s)

José de Saldanha      

Addressee(s)

Mariana Efigénia da Fonseca Pereira                        

Summary

O autor conta à esposa as suas ocupações no Brasil, explicando a situação que ocorreu com o envio do dinheiro e deseja as suas melhoras de saúde.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Minha Querida Mariana

Esposa do meu Coração, depois q te escrevi a dois de Novembro do anno proximo passado verdade q te não tenho escripto mais, porem o motivo tem sido huma deligencia de grande ponderação, e continuado trabalho, q o Sr Govdor deste continente houve por acertado emcarre-gar-me; sendo o seu objecto e exame partico-lar de varios terrenos de trez Leguas cada hum q os Vassallos de S Magde estão pedindo aos Snrs Vice-Reys; e devendo informar o Sr Govdor, elle confia nos meus informes imparciais, e de justiça, a vista dos quais quer formar os seus. para eu executar isto tem-me sido necessario recorrer imnumeraveis Leguas d' esta nossa Fron-teira; de tal - sorte , q ainda á poucos dias me recolho da campanha depois de ter gasto quarenta e seis dias, e tranzitado perto de duzentas Leguas pelas voltas, e d' aqui a quin-ze dias torno a sahir a outro Giro, pa as ban-das do Ro Grde a concluir com outras duzen-tas Leguas o exame pedido. Por outra parte sou obrigado a ouvir com toda a atenção e miu-deza aos Pertendentes, q ou seja no campo, se-guindo-me, ou nas Povoações, não me deixaõ.

bem certo, q isto me tem dado huma grde estimação pla dependencia, q todos de mim tem, porem pouco, ou nenhum Lucra pela inteireza, e rectidão com q me porto com estes Fazendeiros.

As incessantes correspondencias de mim com o Sr Govdor, q ainda existe em Missões na ins-pecção da 2a Partida da Demarcação, ou a do Sr Cel Roscio e Joaqm Felis, me gastão o resto do tempo: assim bem a pressa vou a fazer este Coro pa essa Cide, vendo tu pela circunstancia d 'elle, q eu até tenho posto de parte os meus proprios intereces.

Sinto como devo, e como nal á Lembrança do nosso antigo amor o progresso da tua mo-lestia, e estimarei tenhas adquerido o descanço verdadro, q te dezejo, e q a Ds pesso.

Em quanto á falta de dros, que tens experimen-tado, não sou eu o culpado, todos os meus amos, e Procuradores são ainda a maior cauza: com efficacia pedi á annos ao Gabriel no Ro de Janro, remette-se pa essa corte, ou ahi man-da-se dar a quantia de cem mil rs; e jámais o fez não obstante eu lhe mandar dizer q lhos tinha levado em conta, e feito acento nas minhas minhas contas porem vendo eu, q elle assim assim não executava, e antes pelo contrario hera prompto em pagar naquella cide do Ro de Janeiro qlqr||qualquer quantia de q eu lhe passava Lettra daqui, escrevi, e fiz avizo ao Sr Lisboa pa q no cazo de q não tive-se chegado a essa corte alguma remessa de dro pr ma conta; passa-se elle, ou algum sugeito, q lhe fize-se conveniencia huã quantia de cem mil rs no Rio de Janeiro a fa-vor do seu Procurador, e sobre os meus soldos e ao do Gabriel Frco Braga, como meu Pro-curador: não o tem feito, e pr concequencia nada se tem conceguido: porem eu tomara q me res-ponde-se o Sr Lisboa, q perdia elle em gastar duas meias folhas de papel, passando 1a, e 2a va de Lettras seguras ao seu amo Frco Pinheiro Guimarãs, e sobre o meu Procurador Gabriel Frco Braga a pagar dos meus soldos, e por incinua-ção ma? A não querer pagar o do Gabriel, o q eu não creio, pois pa esse fim lhe tenho concervado de sobre-celente na sua mão mais de cem mil rs, se perderião as duas meias fo-lhas de papel, e o tempo de as escrever; não se fazendo precizo nem mais protestos, nem mais Letigios; pois héra so com o fim de vêr se pegava este meio de remediar as tuas precizoens.

Histo o q eu agora vou fazer passando da-qui huã Lettra a favor de Frco Pinheiro Guima-rens sobre o meu Procurador Gabriel, e escrevendo aquelle a queira fazer ou pr abono, ou por remessa entregue entregue do seu producto de cem mil rs ao nosso comũ amo, o Sr Lisboa: Ds qra tenha assim o effeito dezejado.

A Patente, q me remettes-te, e q deve sêr o ori-ginal, como me avizas, mto te agradeço; porem ella párá na mão do Gabriel no Rio sem se aprezentar ao Sr Vice Rey, nem á Tezoira-ria, com o receio dos meus amos, não me po-nhão tão-somte no soldo de capm, q vem a ser no Brazil duas vezes dezaseis, e por mil rs por mez, ou trinta e dois, e por conceguinte treze tostoens menos do q venço como Astro-nomo: assim ali se concervará até vir a respta deste meu novo requerimto, q nos da maior emportancia, e vem a sêr o seguinte:

Com as certidões dos meus superiores, q reme-tto agora adjunctas ao Requerimto se deve tornar a falar ao Sr Martinho de Mello pedindo-lhe ou novo accesso, q o q eu mais estimaria, e com cujo soldo remedearia a falta do sol-do de capm ou pedir-lhe me alcance de S Mage o soldo da Patente de Capm, q se paga nessa corte q de desaseis mil rs, alem do de Astronomo, q estou vencendo q de trinta e trez mil e trezentos rs pr mez, a fim de podêr ajuntar ambos; pois q tambem eu me occupo nas duas proficçoes de Engenheiro, e de Astronomo; conforme se praticou com o meu Mestre o defun-to to Dr Ciera, q alem dos soldos q hia vencendo dos novos cargos a q passava, sempre continuava a receber os soldos antecedtes, vindo assim elle a têr trez soldos cada hum de seiscentos mil rs, por anno; quando elle exercia hum dos cargos a q o destinavão, e eu estou, e fico desempenhan-do ao mmo tempo os dois de Engenhro, e Astrono-mo: Ou emfim necessario vêr, a não se po-dêr alcansar qualquer das duas couzas ditas, se se obtem huma ajuda de custo, q será para ti de trezentos, ou quatrocentos mil rs, com a prome-ssa de se continuar a deligenciar o n segte accesso de Major, q Sa Exa te prometteu para mim, e q eu não deixo de merecer plo mto q me empenho em servir bem, e a saptisfação dos meus superiores neste continente. Eu fico na certeza, q qualquer das couzas, requerendo-se com eficacia se podera alcansar, prque nenhum dos meus compos tem tantos serviços no Brazil, como eu, nem attestaçoens tão honrozas do Sr Govdor; assim a tu não poderes andar com este requerimto, q deve sêr continua-do com alguma importunação, e ainda com pro-messa de Luvas a algum secretario do mmo Sr Martinho de Mello, deves procurar Pessoa, q corra com esta dependencia, a qual se paga- o seu trabalho, e cazo se conciga alguma das trez couzas, se lhe darão meia duzia de Doblos

Tu deves emt primro, q couza alguma cuidar na tua saude, e fazendo sabedor ao Lxa. de todas estas pertenções, dedicares-te tão-somte ao curati-vo para este fim fico eu tambem consultando pr aqui os Proffessores de Medecina tanto Portugue-zes, como Hespanhoes, a vêr se assentamos em al-gum remedio proprio para finalizar esses fluxos de sangue; o qual remedio, ou incinuação para curativo Logo q o consiga to remetterei.

Eu continuo com mtas Lidas, e ocupações das mas obrigações, q por cina, ou fado me tocarão; po-rem graças a Ds com saude: e ao mmo Snr pesso te o verdadeiro descanço e socego. Rio Pardo se doze de Março de mil setecentos e noventa e hum.

Teu afectivo Espozo Saldanha

P.S. O requerimento pa S Mage por via do Sr Martinho de Mello, eu me resolvi a reme-tello pla secretaria de Estado do Sr Vice Rey, pr hir mais seguro; a copea d 'elle a adjunta, que te remetto, para saberes como has de falar a S Exa; e na tua impocebelidade manda este rescunho ao Sr Lisboa pa elle diligenciar pr alguem a resposta do Sr Marto de Mello tambem escrevo nesta occazião ao Sr Dr Franzini, e ao Sr Luis de Vasconcellos, Prezidte do Dezembargo do Poço.


Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXT