PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

PSCR0271

1689. Carta de Pascoal Rodrigues, criado e pescador, para Cristóvão Burgos, padre.

Author(s)

Pascoal Rodrigues      

Addressee(s)

Cristóvão Burgos                        

Summary

O autor pede a um padre o favor de este interceder em benefício da sua mulher, presa por bigamia.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Sr Rdo pe D aBade fr Christovão Burgos

Meu Sor Rdo pe D Abade he serto que os Beneficios q no mundo çe fazem a quem tem sangue Nunca se podem duvidar por insertos ainda, a quem não sabe comResponder igualmente Com a satisfação e agardecido; qto Mais a peçoa de V pater que em tudo vemos exçede a S pedro o sto na convirião das almas V pater na Remição dos pobres q Bem sei eu çe asistira neça cidade como dantes ja forão RemiDas Minhas aveçhaçôis e aliviadas Minhas peNas; Renaçidas a Respeito tudo de V pater desde aquela ocazião de suas adeverçidades q me oCupou pa o hir Botar na jangada junto o outro Companheiro ao Barço q hia pa a Bahia de viagem

Recolhendome pa terra a minha caza chegou Recado do Senhor conego joão Barreto q des aja dizendome q mereçia eu ser Degolado e q lho ouvera de pagar pello atrivimento que tive de hir levar a V pater na jangada ao do Barço; Reciandome fis algum disvio; logo no outro dia se foi ter com o vigro geral seu aleado pa q mandaçe prender a minha mulher dizendo ser cazada com outro marido q como não tinha outra vingança pa se vingar de Min tomou este pe.

Veja V pater çe está conheçida a cauza do odio pois elles me cazarão pregonis corridos saBendoçe q o pro marido de minha mulher he morto e pa q eu lhe não soleçitaçe sua soltura fes o do conego seu pai me troicheçe sigo pa o Rio grande adonde asisto hoje hoje, sem poder ser Bom a minha Mulher que a dois annos e tantos mezes que esta preza padeçendo o q deos sabe neça cadeia do Recife que asim me escreve não tem quẽ lhe soleçite sua soltura que não sei como he viva pois çe ella he cazada não ha lei que nos divida e se tem outro Marido q ce lhe emtregue; e não que se tenha preza con tanta molestia;

peço a V pater como piadoso por ser serviço de Deus e pello que deve a si mesmo queira tomar a soltura da da Minha Mulher Domingas da Rosa a sua Conta e fallar ao senhor Bispo neste particular informando o disto que Bem sei q o Respeito de V pater tudo pode açabar o Dito Sr ou qdo o cazo por algũ meio seja de degredo que se lhe de pa este Rio Grande q não he pouco ascarozo,

e pa que não feneção de todo Minhas esperancas e saiba o mundo não ha em V pater nada de ingrato e sabe pagar a aqueles q em tais afliconis o servirão fiço socegado; e publicarei toda a minha vida tais favores

estimando eu mto logre V pater vida e saude largas fellecidades como este seu menor cativo lhe dezeja,, eu sou daquelles mosos pardos o mais velho a peçoa de V pater Gde deos Gde deus Muitos annos cidade do Rio Grande 28 de fevereiro de 689 Do minimo cativo de V pater

Paschoal Roiz

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXT