PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

PSCR0058

1591. Carta de Francisco Madeira, mercador, para João Nunes, também mercador.

Author(s)

Francisco Madeira      

Addressee(s)

João Nunes                        

Summary

O autor dirige-se ao seu conhecido dando-lhe diversas notícias sobre os seus negócios e outros assuntos do Brasil.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Jhus en Olda a 22 de dezro 1591 a sor

Ja os seus qua desta banda não podemos sofrir tam grande auzemsia mas como vm la tiver saude e privansa seja como for servido e ordenar, cõtudo as cousas de qua ja agora requerẽ sua presẽsa dado q zuzarte nunẽz e simão fazẽ o posivel e andão bem nas bainhas, e comrespõden o q devem

/ En grande espanto nos pos quá a provisão do sor gor em mandar q nenhũa pa se saisse desta capa que foi polla en serquo q nẽ a nosa sra da conseição da ilha ouzou pa allguã de ir nẽ cuido q ainda q oje a paraiba aja mister socorro q ouzarão a dallo. E se isto ouver de durar mto sera opresão grande pois arde o verde e sequo q como o Snor gor esta tão distante não he posiuel dispemssar os inocentes pello q vm não deixe de interseder nesta parte q eu apresare sua vinda eu alevante o embarguo exceptuar os mãos e cullpados. e larguar aos bons e inoçentes e mais serto q no reino não deve de soar isso bẽ porq hẽ hum genero de captiveiro e sogeição cõtudo se o sor gor ouver de fazer detença aja vm Lca pa sem embargo de sua pvizão me poder mudar por q se me não pasẽ os navios da boa monção -

o sor xptovão de barros passou pvizão a João gomez pa o prosedimto da devasa pareçe q veio a notisia do ldo gar ferraz e pode ser q por favoreser os cõterraneos passou logo outra pvisão en contro porq me manda q graves penas não va ella por diante o q nos fez so estar por escusarmos negos he neçessrio nova pvizão pa isto. E bẽ asin outra do sor gor geral en q me manda q ate elle não vir pesoalmte q hi a tenha en meu poder e não ha de ajullgador allgum ainda q seja o sobredito ou outro quallquer por atalhar a imcõvinientes q diso se podẽ seguir e eu tive avizo q andavão dioguo soure q ma tirase da mão e dado q isso tenho por minha ordẽ quieto pode tornar a reviver e pode vir o dito sor ferraz qua e seja forssado largalha posto q seu q importa mto ser o cõtro pello q não se descuide mto da pvizão q peso

a pvizão do sor gor sobre as peças me foi dada não vai o dro neste barquo porq migell q he o paguador mor he no porto do callvo avizei loguo a xptovão luis q se detreminase elle e coando não q avia de mandar poer o engo a preguão e pediome de tpo ate a bespera da festa e q coando não viesse q iria en busca delle. sendo o tpo chegado se não conprẽ ira o nego de todo o ragor ao sor gor escrevo huans regras sobre isso.

miguel frz e joão paiz tẽ adquerido allguans pesas das q estavão en casa do benba. mando la gomez miz a saber o numero e bẽ assim das mais q la no porto do callvo dos 188 - do auto elles me dizẽ se a queixa ao sor gor q a minha provisão he quebrarlhe o seu contrato avirto a vm q mostre ao dito q como tudo o delles são chimerias e fumasas e q ate oje não fizerão mais q ajuntar asim a q lhe nos fomos busquar e q allguãs pas querem ir ao sertão a busquar allguũs destes negros e q o deixão de fazer por seu respto porq dizẽ todos os negros seus pello contrato e q todos ão de ir buscalos pa elles e como os caães de palhro q nẽ comẽ nẽ deixã comer sera por fim ao dito seu cõtrato porq então buscaremos quem va ao sertão a buscalos. E coando menos q se lhe ponha allgũ lemite - tanbẽ ptẽdẽ allguans pesas q o pdor mor Gar roiz deu aos q fomos elle de sua partilha q pq bẽ as mereserão pois não ouverã outro soldo bẽ sei q issto dei tão a mim e a Anto da Fonseqa vm por ma fazer q desvie estes maõs intẽtos pois deve bastar q os q o pdor mor trouxe q lh estão embargados e tomados e não os q forão elle q de seu trabalho bẽ basta

La vai joão de figueredo vm o ajude no posivel elle dara a rezão de sua ida o seu ofisio se deu a vte bezerra de servẽtia porq do morgado não avia outro mais per pouquo parẽte q elle o papagaio aguarda a vm nos pasos do santo oficio mostrandose mto agravado vm bẽ sabe o q lhe cumpre. E a elle lhe reseba a boa vomtade porq toda essa parese q mostrara he xersitara se puder no serviso de vm de seus parentes e aliados. Esto lembro a vm q dos letrados q se a no brasil q o sor Ldo Gar ferraz he o mais oudioso nesta terra e q vindo elle q nẽ na devasa se a de averigoar nada cõtra esta gente nẽ nos mais negos se a de dar o castigo meresido e nelle estes sors tẽ a cõfiança plo q afaste sua vinda o posivel etc porq não e outra cousa guarde o sor ds a vm e lhe de tpo de

framco madra

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXT