PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

CARDS7090

[1817]. Carta de Jacinto Júlio de Queirós Moura, estudante, para a sua amante, Josefa Viana de Campos.

Author(s)

Jacinto Júlio de Queirós Moura      

Addressee(s)

Josefa Viana de Campos                        

Summary

O autor confessa-se perdidamente apaixonado e tenta combinar forma de se encontrar clandestinamente com a destinatária.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Ma supirada prizão

Tão longos me tem parecido os dias em q não tenho tido a felicide d abracarte que duvido q ma alma possa com a soidade q tu me motivas, sim debalde clamo e suspiro pr ti tu não ouves nem ves os meos suspiros meos gemidos e mas enternecidas lagrimas! ah! eu amote no mais vivo do meo C nada me apraz e alegra na tua auzencia, mas ai de mim talves q tu vendo a impossivillide que tens em falarme calques aos pes as mas lembranças o meu C e athe o amor q me tens jurado, mas ai ma adorada Esp se assim he não me escrevas pq as tuas Cartas são hum veneno de amor que ensensivelmte se me introduzem nas veias e me consomem, ah eu não quero pencar nisto deixaime funestas lembranças, triste pencamto e, hum C magoado deixai de perseguir este infelis: fado cruel athe quando experimentarei o teo fero e rigor U. unico objecto da ma memoria ah! se me não amas foje do meo pençamto e não augmentes mais a ma dor; e tu morte velozmte apreça teos vagarozos passos corta de hua ves o fio a mais penoza vida de hum disgraçado U. ma linda U. tu hes a unica cauza e origem dos meos suspiros tu hes aquella pr qm meos olhos jamais deixarão de verter copiozas lagrimas nem os meos enternecidos ais de penetrar os denços ares, porem a sorte adversa nos separa ah! tirana estrella q me facilitas as venturas e medos logo a morte privando me dellas; ma linda Esp tu me argues de eu te não communicar hu meio siguro pa falarmos ah! e qm mais o dezeja eu estou dezesperado nada me alegra vivo sempre pensativo suspiro choro mas nada me valle e se tu te não valeres do unico que temos certamte eu morrerei e tu queres a ma morte; meo lindo amor eu creio que bem me podes falar a huma hora em ponto pq neste tempo tudo dorme e como o F. não está em baixo o pequeno sem duvida não acorda, e os Dou não podem ouvir a essa hora, este he o unico meio que nos resta se te quizeres aproveitar delle fazeio: emqto a ferias eu estou determinado a ficar aqui pq he impossivel passar hum dia sem ter noticias tuas e pa isto escrevi ao Frade se elle me servir intão decerto fico emqto ao Segredo esperemos mais alguns dias a ver se podemos falar, porem tu deves por os meios; hoje proguntarei o remedio e aDs ma querida

e sou o teo Conte Jacintinho

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXTSentence view