PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

CARDS6025

1821. Carta atribuída a António Maria Vidal, acusado de ser salteador, para Manuel Vaz Lampreia, lavrador.

Author(s)

António Maria Vidal      

Addressee(s)

Manuel Vaz Lampreia                        

Summary

O autor, sob nome falso, ameaça Manuel Vaz Lampreia pedindo-lhe ajuda na libertação de um companheiro.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Snr Manoel vás

Snr eu tenho huma denuncia prma mão a Seo Respeito da Sua vizinhança com quatro testemunhas aSentadas dessa va q Vmce he máo homem e q he jácobino e a Respeto do nosso Principe q dis q nunca elle venha e q nem Ca se- croe Rei o q vem fazer he levantar trebutos e q emqto o Frances esteve nun-ca pagou direitos e nem se lhe embargou co-uza sua e q emqto elle tiver dro tem el-le o Juis de Fora e mais o Capam Mor Comprado por isso lhe devem mais de oito mil cruzados e q és paçador e de máo Sangue e ate metestes hum dezortor num Capitullo sem elle ComCurrer pa tal e nem saber em dia Nove de Julho quatro teste-munhas e nesta Corte pronptas pa Jurarem como o do Suplicante aballou do Ráto pa o barco com Noventa Muedas Suas em dro de Me-tal fora hum bilhete de trinta mil Reis po-is essa he a Cauza por q tu dizes q o dro q era teo pois mais não he pella tua boca não merece ser Castigado porq o não llevan-tou de sua Cabeça mas merecia tirarlhe a vi-da pello exceço q fazia e a sigurança Com- q o teve mas a sua fortuna he elle ser Soldo e não ser paizanno não lhe ouvia pedir nada mas eu obrigome q em Vmce desdezendo do q tem dito q eu em garvão o mando proguntar e lhe mando Carta ma pa me fallar tendolhe dado o perdão q esteje junto os atos qdo Responder a Concelho de Guerra este homem he meo afilhado tem Recebido mtos dros de Marxantes de Lxa nunca aMadou nada a ninguem tudo qto poem a este Homem são alevozias este Homem não he qm dizem este Homem não he filho dessas teras pois he filho de hum Coronel e afilhado meo este Homem todos dizem q o conhicem sem o verem este Homem em tudo são errados este Homem em Vmce seo q este Homem Seje Solto eu me obrigo a q elle andando por fêras q elles lhe venhao a descubrir qm lhe fes a sua afronta porq o q Vce não o descubrir não descobre ninguem porq conhece jente bom e máo por toda a provincia do Lentejo e algarve e nesta corte he elle dezerlo q tem Sido verdadero fazendo o q lhe digo Com brivide prometolhe q em sua vida não tenha prigo de maos feitores e q cama em ma caza e saber qm se emtreça por elle o Snr Intendente e o Snr Dezembargador de Corte e cauza pello q me dizem q não pode ser solto por cer Soldo q mande tirar huma abonação nesta Corte nas Cazas q elle tem servido pois esse orive q deo a denuncia delle ha de perder mais de q elle fes perder a esse imfillis desgraçado basta Cortar os cunhos a mueda de Sua Magestade tudo o q toca a ouro e por testemunhas o Juis de Fora q acabou allegando com o seo escrivão e criado e qdo elle emsimou o seo ja elle o fazia e eu ja lhe mandei huma Carta e agora mandolhe esta faça o q quizer isto a de ser Com brivide pa q Vmce fique bem e elle tenha sua liberdade porq a Couza he commigo

eu sou de Vmce Cro Joaqm Pra Mendonça Cardra no dia 7 de Janro de 1821 Lisboa

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXTSentence view