PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

CARDS3117

1642. Carta de Cristóvão Leitão de Abreu, ouvidor-geral, para [António de Faria Machado], conselheiro do Vice-Rei da Índia.

Author(s)

Cristóvão Leitão de Abreu      

Addressee(s)

António de Faria Machado                        

Summary

O autor fala a um seu superior de diversos assuntos de jurisdição, queixando-se também do pouco que ganha.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Largamente escrevi a Vm e ao Snor Conde V Rei e a Snra Rollação muita papellada pello q não sou Largo nesta tudo foi no maço de Dom Phellippe q não deve faltar, e posto q coatro dias q escrevi pella Larga distançia, podera suçeder chegarem primro as Ultimas Recupelativa dicam. Sentençees em Rollação os mesmos adjuntos nomeados no meu alvará a luis de macedo em sinco annos de degredo pera damão e seiscentos mil Res pera as despezas da Justiças e Alçada e a primeira e entendo que serâ a derradra condenação de dro que farei, porq seis mezes q estou nesta trra sem condenar pessoa Viva nẽ morta q hũa das Couzas por q o povo E a Cidade me fazem protestos, e cometẽ partidos pera aver de me dilatar prometendome sallario do Dezembargador e aposentadoria das cazas e outros partidos semelhantes como Vm deve de ter visto por suas Cartas. Eu não quero Viver em Ceilão q trra de grandes falçidades e se me não emgano me pareçe que tenho mereçido bastantemte ser companheiro desses Colegas meritissimos. Eu quero falar com Vm clara E Verdramte como verdadro amigo Snor Anto de faria pellos Sanctos eVangelhos da misa que tenho gastado nesta Cidade todo o dro que tinha pera me hir pera o Reino pq me não tem isto importado em Vinte pardaos digo afora o ordenado o qual tão Li-mitado que muito mal me chegua por estar mto Cara esta trra o Levantamto dos negros e isto são puras Verdades: Eu não asseito a nenhũa pessoa mais que ao- geral Saguates de mimos de Comer e pellos mesmos Sanctos eVangelhos q não psa nenhũa q me offereça outros como devẽ de ter muitas Vezes Escrito e boa testa desta Verdade o pobre Dinis da fonçequa q para se sustentar foi nessecro emprestarlhe eu duzentos czos por não termos athe agora de q nos pagar os ssalarios elle estâ muito meu agravado não ssei o q escreveria a Vm E a cauza porq lhe não deixo Levar dobradas as Custas do modo q as leva do Vigro geral tendolhe dito que faça hum Rol de todas as Custas que lhas quero pagar mta Vontade e faço isto porq o q mais se sinte no povo. Tambem tirei os istillos do Tronqo q hera modo de furtar aos q de novo entravão Como tãobem tirei as abuzões dos meirinhos q em pondo a mão em qualquer peçoa mas q fosse o mais mizeravel negro o não ssoltavão se lhe dar pardao da prizão, e outros muitos abuzos e ladruiças q avia na administração da Justiça Civel, e Crime que de tudo conheço geralmte com q não tenho hora de meu nẽ para comer nẽ para dormir porq o geral Levame todas as noites imfavelmte e o menos q gasta em cada hũa são quatro ou ssinco horas E chove sobre com portarias cada dia sobre varias materias e tantas imformaçois q pera isto avia mister todo o tempo, e como me acha Limpo de mãos fia tudo de porque elle tãobem o , mandeme Vm ordem pera me hir de qualquer modo e ssem embargo de todos os embargos se alguas cartas forẽ contra devem de sser de frei franco da fonçequa ou por sua ordem dilateçe Vm em lhe dar credito athe me ouvir e ler as minhas papelladas et postea amicus Plato sed magis amica veritas; torno Certificar a Vm e juro por toda nossa amizade q a não ter o encontro com o Vigro e Bispo q pudera aLevantar este povo, q tão bem q visto estou e pello mesmo digo q fui forçado E contra minha vontade e o tenho ssentido n a e no Coração; Mas não me foi pocivel outra couza como Ds testemunha o q mais ouve nisto não pera Carta. Pareçeume que devo advirtir a Vm o ssentimto que dom Phellippe teve da Carta q lhe escreveo o V Rei bem fora de sseus mereçimtos porq tem obrado mais do q se podia dezejar, e o mais capax talẽ-to de grande governo q ca tenho visto e sseu Irmão estâ esse grão pessoa e sse ouver oCazião os oLandezes ha de mostrar q bom soldado. Ao Rei de Mattalle obrigão a vir Vi-ver dentro na Cidade Segundo q nisto ouvi emtendo q a elle e a nos Comvẽ fazello porq homẽ mto vario e Chingalla hẽ grande meu amigo do mais deve avizar o geral q tão bem o hẽ de Vm a quẽ Ds gde como eu dezejo

Colbo pro de Março 642 de Vm Christovão Leitam de abreu

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXTSentence view