PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

CARDS3044

[1759-1763]. Carta de Faustina Maria para sua mãe, Maria Teresa de Jesus, mulher de lavrador.

Author(s)

Faustina Maria      

Addressee(s)

Maria Teresa de Jesus                        

Summary

A autora recrimina a atitude dos pais face ao conteúdo de uma carta anterior, a qual lhe terá criado problemas com a Inquisição.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

J M J

Minha Mai e Snra permita os meus santissimos protetores e Snres amabilisimos corasois de jezus Maria joze joaqm e Anna q estas minhas limitadas sifras tenhão a flisidade de açharem a v mce desfrutando aquela saude espiritual e corpural tão filis como lhe dezeja o meu afeto espisialmte a espiritual da coal lhe considero mto inferma e sendo o mal pestilento danou e prudigicou a mtos a hums apegandolhe o Mal a outro privandolhes do bem q estavão logrando q se não fose a infinita Mizericordia de Ds e as ificasisimas orasois de hua sta Minha poderoza protetora e adevogada q apezar de toda a contrariadade assim o protesto confesar emcoanto Ds me não dezenparar ficaria perdendo o bem eterno da Minha alma o coal estava pesohindo com tanto gosto de minha alma ainda q indigna de tal dita porem como Ds vehio ao mundo buscar pecadores nesta pecadora quer mostrar as suas mizericordias e o demonio meu Capital Inimigo raivozo por ver q a Minha sagrada redentora do inferno me tirou como poder de Ds e do seu corasão quebrando as malditas corentes da minha dezobidiensia e soberba e incredolidade com as coais me tinha o dragram infernal prizioneira nas suas infernais moradas e como tão bem o servia e amava mto e mto apaixonado se valeu de v mce fazendoa Mutora de tanta ruina asim como o foi a nosssa primeira Mai eua q tentada do inimigo tentou adaõ e tosdos os seos desendentes esprementarão e estamos esprementando a ruina das nosas almas almas pelo pecado da dezobidiensia Ds noso Snr condespadesido das nosas almas vendo nos escravos do demonio o seu amor lhe obrigo a mandar o seu iUnigenito ao mundo, tomar a nosa carne para padeser por noso aMor e pagar a nosa divida q diviamos a sua divina justisa a coal pagou e satisfes obedesendo athe a Morte e morte de crus com a coal abriu as portas do çeo q estavão feçhadas pela deszobidiensia de noso primeiro pai assim v mce obrou q tentada do inimigo tentou a Meu Pai apartando as suas almas de Ds pela culpas e tirando do rebanho de cristo as suas ovelhas q tanto lhe tem custado para as intregar as intregar aos lobos infernais com capa de zelo tiroas do rebanho separandoas dos çeu pastor e pastora para as intregar ao maldito rebanho do bod inimigo infernal porem como as maquinas do demonio a vista de Ds todos se desfazem asim sosedeu Aqui, çhegou Meu pai de mim tão desconhesido e em hua selgunda feira na coal mi ditão as almas devotas a prizão do orto de noso redentor jezu cristo e vehio a este sacro colejo com tanta escandula dos Çeo e da tera e trose Comsigo o mejrinho geral da jgreja Com orde do Snr bispo para nos tira do Saçro Colejo Com hua hua escumunhão para q na caza donde nos pos nem a meu padre mem minha Mai e mesta nem pesoa algua do sacro cojlejo falar comnosco e com mtas lagrimas e suspiros nosos e de toda esta santa Comunidade sahi Minha Mai op e meu Pe na apaixunadisinos com rezão pois a sinco anos pouco menos me tem sufrido e criado com tanto trabalho para reseber tão bom pago e estivemos fora treze dias para sermos perguntadas porem Ds q he todo poderozo confundiu e abateu todas as maqui as maquinas Com q pertendião aniquilar a caza de Ds e confundirnos a nos so o snr Reverendo padre prefeito me fas falar e fazer alguas perguntas e a tudo respondia eu quizera falar pesualmte a vmce para lhe perguntar em q religiao estaria eu q v mces fisesem o q fizerão nesta por lhes pareser piquinina nos seus olhos porq a não conhesem he mto grande e divina feita pelo Çeo para recolher pecadores para se converterem e servirem a Ds em outra nenhua o fasiao de q estou mto apaixunada pela dezonra da religiao por meu respeito e se a Ds não fose tão mizericordiozo e Minha Mai e mestra e meu Pe tão binignos como são q nos não quizesem aseitar v mces tirião ocazião de se queixar não por serto q eu me confundo dever o amor e carinho e binigindade com q me reseberão e me tratão q so athe antão o fazião depois se riquintou e v mce so lhe peso q peze bem o q fees e q obre melhor q se por na Minha carta dizer q eu hera ivangilista deste altisimo Misteriu me condenarão a Min e toda a religião ofendendo a Ds tão gravemte de q o ceu todo esta e Cuja Carta esta na mão do snr bistpo e se por esta palavra e outras varias me condenara eu me ofereso ja para o q v mce detriminar e q nenhus tormentos nem trabalhos me inpidirão o confesar q sou torno a dizer q o sou e infinitas vezes direi q o sou porq se ivangilistas forão os q escreverão e publicarão a vida de seu divino Mestre ou tão bem o sou q sou disipula do mesmo Snr q eles tinhão e asim estejão mto sertos todos q ao incontro me quizerem sahir e eszaminar q eu estou mto pronta pois q ja dizafiei os soberbos e dezobidientes como na minha dizia a v mce q como soldado fraço estava na frente dos escolhidos para ser a primeira q de a vida pelo meu capitão general jezu cristo Rei salvador e como asim Me sacrifiquei asim e me SaÇrifiço fui a primeira q lusifer pai da dezobidiensia e satanas o pai da suberba e encrudilidade me investiu coando mejenos esperava e mais alegre esperava todos juntos debaixo do abrigo e patrosiniu de Minha amada Mai e mestra e madrinha e de meu Pai selebrar a feita do valerozo purcursor su do divino Verbo o snr são joão me deu a primeira avansada porem venseu o meu capitão q so a ele se deve dar toda a vitoria estou esperando por outros mta q de todos espero sahir bem vensendo meu snr e meu capitão general dandose a ele toda a onra e glria divida com confuzão de todo inferno e apezar de todas as contruvesias bem pudião v mces se lenbrarem das infinitas obrigasois q devem a Ds e a minha Mai e a meu Pe por nos chamar para a religião sem lhe pedir nada e se nos dese estado no seculo se nos não dotarião o menos vestirnos e darnos hua escrava , e escravo porem sendo nos coatro e a religião tão pobre nem hua escrava v mces tem dado a esta religião para nos servir isto sabendo q vivemos de esmolas e não paresa a v mces q isto q digo he porq o ouso a Meu Pe ou minha Miai não por sertos mais sim o digo para q v mces o pezem bem na balansa da verdade para q ela lhes de o seu pareser vejão se he asim justo ou não o meu padre e Minha Mai senpre dizem q não samos filhos de pedro Rodrigues nem de Maria thereza sim suas filhas porq Ds lhas entegou e delas lhe a de dar conta e isto não dizem pelas nosas virtudes nem ablidades mais sim por amor q tem as nossas almas e como somos pecadoras nos quer para q de pecadoras sejamos stas e convertidas e o gradisimto de v mce foi este Ds por sua entersesão lhes queira perdoar q nos lhe agradesemos mto a ocazião q nos da de padesermosmos por jezu cristo noso snr de qm sou ivangilista e não temo o dize lo q sou porq o sou da lei do mesmo snr q he o q prufeso e em agradisimto ficamos todos orando e pedindo ao snr por v mce para q se converta a Ds e chore e conhesa o seu pecado com tegnpo de alcansar perdão e com isto Não sou mais enpurtuna peso q me deite a sua bensão não atendendo a minha incapasidade o ceo gde a v mce aquele tenpo q for conviniente para o seruir e aMar de Minha Mai e mestra e de meu pe aseite v mce saudades sem conto e a bensão as suas afilhadas e afilhados e todas as minhas iirmas fazem o mesmo

de v mce filha a mais mizaravel e pecadora Faustina Ma do corasão de sta Anna

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXTSentence view