PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

CARDS2141

1689. Carta não autógrafa de Joana Correia para a Mesa da Inquisição de Lisboa.

Author(s)

Joana Correia      

Addressee(s)

Inquisição de Lisboa                        

Summary

A autora denuncia o seu marido por bigamia e por fazer curas mágicas.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Ilmo Senhor Senhor

Suo Huã molher polve Chamada Joana Correia moradora neste Rio de S franco onde chamão o Rodella do Arcebispado de Va Illustrisima em Companhia de meu genro mel Carvalho Pacheco distante dessa Bahia 120 e tantas legoas sendo viuva cazei em Lisboa na freguezia de s niculão con aleixo cabral natural da bahia pa onde vim em sua companhia no anno q veio alexandre de suoza a governar a bahia e ahi vivemos em boa comfrimidade seis annos na freguezia de nossa sra da vitoria pasados tantos Hannos de nosso matrimonio entendo q por arte magica me cobruo meu marido tal aboresimto q me larguo a caza em q moravamos e posto q chegava mtas vezes a porta era pa pedir lhe mandase a tal parte a caza de suas amiguas tantos e tantos mil ris para seus gastos tal e tal cuoza para seu Regallo sem aver Remedio querer entrar dentro porq abertamte dezia q serta qualidade intrior o inpedia a emtrar mto padesi em quatro Annos puoco mais ou menos com elle neste genero de vida athe q hũm dia truoxe a caza o pe vigario simão ferra vigario de nossa sra da vitoria e me obriguo a fazer voto de castidade e q dissese q tinha ja 50 annos de idade e q fazia o tal voto asim pello dezejo q eu tinha de servir a Deos como pa elle se poder ordenar pa o que lhe dava toda a licenca q pedia asim o fiz Ilustrisimo sr contra minha vontade e por temor dos ameassos grandes q me fez se asim o não fisese não tendo eu tal temcão nem vontade e sendo tudo mentira e engano deu testemunho deste voto o pe vigario e o capptam Antonio da silva de menezes e a maeor grasia e Livre eu deste perigo em q me vi da vida pus logo a cauza nas mãos do vigario geral Aori deam dessa se o Rdo sr pe Andre gomes caveira o qual per abrviar historias e ir ao q agora inporta nos disquituo por toda a vida e elle se foy pa Lisboa e llevo comsiguo tudo quanto pesuia o cazal e me deixuo mto pobre e tendo eu sentenca q perderia todos os béns e não requeri pella sentenca per se hir com joão correia pa Lisboa em o anno de 1677 e donde esta hoje cazado com a filha do escrivão dos degradados e saindolhe meus parentes aos banhos deu testemunhas falcas em como eu era falecida e q me virão emterar na bahia esta hoje vivendo na cidade de Lisboa com a molher de quem tem hoje ja filhos e curando dizem por Arte maxica porq elle em minha companhia não tinha prestimo algum pa ganhar a vida Eu Como estuo delle legitimamte disquitada não tenho obriguasão de o hir buscar tenho porem obrigguasão de o denunciar ao santo officio e como não tenho modo pa o poder fazer immediatamente quero fazello e o devo fazer mediante Va Ilustrisima como faco por esta ja q o não posso fazer pesoalmente pellos longes e sser mui pobre Vossa Ilustrisima se pode emformar do meu disquite do sobredito sr e Ro deam e de q eu suo a mesma e a verdadeira molher de Aleixo Cabral pode ser temunha o Coronel franco dias da villa os capitans Bertholomeu nabo correia franco de souza fagundes simão da silva de Andrade q bem me conhesem dessa cidade acabo com pedir a bencão de Va Ilustrisima Rio de sa franco no Rodella 10 de Junho de 1689 Annos

e Vossa indigna de tal pe VA Illutrisima joana correa

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXT