PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

CARDS1115

[1690-1699]. Carta de Maria de Almeida para o filho, [Manuel Viegas Lobo].

Author(s)

Maria de Almeida      

Addressee(s)

[Manuel Viegas Lobo]                        

Summary

A autora mostra-se muito preocupada com a situação em que o filho se encontra. Pede-lhe que se esconda e informa-o de que uma condessa está encarregada de interceder por ele.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Meu fo permita noso snor paseis com a saude q vos dezeis e llivre das persigisois da desgrasa eu i os mais da caza com hella pasamos mas com tanto cudado em ceos q depois q tivemos a serteza de se terem pasado ordes contra vos nam qua mais tivemos hum istamte de descanso so agora tivemos algũs allivius com estas esperansas q voso irmão nos da des por sua miziricordia permita favoresernos as cartas de voso irmão me chegaram hoje q sam desasete deste janro i as remeto a voso tio o snor ijoze de soiza comfiada no zello com que senpre nos favoreseu não ha de faltar em vos mandar llogo propio com hellas i eu vos peso pageis ao portador que vollas llevar q se ca tivera com que lhe pagara não vos hovera de fazer esta adevirtensia e tambem vos peso mandeis llogo propio com a rezullisam a voso irmão do que ordenais e guntamte se caresso com algum dro se inda o não tendes mandado e como ja estais emformado do que helle pode não estranhareis o percurarvos este dro i eu ja não trato de vos emcareser a cautella com que deveis estar porque ja tendes esprementado o dano que fes esta vosa prubilcasam q se hella não fora não se tiveram pasado estes decretos de pombal me mandaram de novo avizar q vos avizase não troxeses negros comvosquo que por helles heres conhesido i hera o sinal por que vos percuravam vosas irmas vos emviam mtas saudades e frco vos pede a vosa bensão i eu vos emvio a minhas a de noso snor vos cobra e permita por sua miziricordia darme a comsollasam de vos ver llivre do risquo em que andais e vos gde muntos annos

Abiul desasete de janro vosa mai q mto vos quer Ma d almda

estando acabando de escrever esta me chegou oitra carta de voso irmão em q com maior emcarisimto q pode aver me pede fasa comvosquo vos punhais em parte tam emcuberta q nem por sonbras haja notisa aonde estais porq tem a condesa sentido mto esta vosa prubicasam e lhe chego a diser q isto hera contra o seu respeito pois se tinha metido nisto i estava empinhada em vos por com llibardade i andando vos prubiquo q nada se podia venser ha vista disto bem puderes vos metervos num comvento e mandares besta e negros pa donde vos pareser e me dis se vos dillibarais a faser esa despeza q vos dis he nesesaria pera se faser a o avizeis adonde se ha de hir ter comvosquo pa vos dar conta porq de papel se não pode fiar nem helle quer sahir da orde q a condesa lhe tem dado porque quer isto com todo o segredo e que tambem vos avizo q pello negosio de ca hera nesesairo ainda maior cautella q pellos demais a cauza não se podia fiar de papel cautela emtendese em vosa pesoa e que a reposta destas cartas lhe mandeis com toda a berbidade porque asim he nesesairo com a crareza adonde se ha de avistar comvosquo pa disporres com helle o negosio o qual esta tam bem emcaminhado q melhor não pode ser des permita saião as nosas esperansas como comfiamos em sua miziricordia devina des vos gde


Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXTSentence viewSyntactic annotation