PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

CARDS1070

1692. Carta de Francisco Gomes Sardinha, vigário, para um membro da Inquisição de Lisboa.

Author(s)

Francisco Gomes Sardinha      

Addressee(s)

Anónimo111                        

Summary

O autor escreve mais uma vez à Inquisição de Lisboa para que os inquisidores o ajudem. Queixa-se de não ser ouvido e acusa o Bispo que o mandou prender.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Illmos Senhores

Com o divido respeito, dou parte a vas Illmas q em sinco de mayo se avistou commigo nesta emxovia o rdo commissario Fr Christovo da Madre de Deus Lus da parte de vas Illmas a saber de mim se os cazos, de q fis avizo pertencião ao sto officio, respondi q sim, e por serem agravantes, e capitais não depunha perante elle q são rezervados denunciarse pesso-almte a vas Illmas pa darem o remedio, e não por elle pelos inconvenientes, q se seguem. Não são menos os cazos q haver sojeito q se atrevese ao sanctissimo sacramto e em desprezo do Divino respeito haverem outros, em outro cazo q se conjurarão em acto publico, todos estes de nação conhecidos, q seus projinitores pagarão pa a finta. Eu sou mortal, e algumas testas q sabem disto, ja são mortas e qto mais breve vossas Illmas mandarem me buscar seguro debayxo de prizão darei conta de tudo, q isso me não livra de ser restituido outra ves a ella, e qdo nam, se algum dia me der Deus liberdade, e vida farei o q devo á fiel christam, q não he materia pa me descuydar; e pa que não paressa, q o fasso a respeito de me remir da violencia, q padesso; tal atrevimto não cometo eu, e merecia ser aosperamte castigado, se tal intentasse, e mto grande Ignorancia minha qdo sei q todos os q maliçiozamte se recorrem ao sto officio se restituem a seu juizo, inda em materias mto justas. Nenhuma outra Couza me move ir dar conta de mim mais q so o fervor, e zello, q tenho do serviço de Deus, o que ja fazia no anno de 89 qdo me prendeu o B D Juzeph de barros de Alarcão, odiozamte, por desconfianças q teve de mim, e não por culpas, q tenha cometido, salvo elle mas formou, segundo os efeitos, q delle vi, e colhi contra o direito da justissa Deus lhe dara o pago, e cazo negado, q as cometese, q direito acha, ou lei Divina, e humana segue, pa q me tenha em descurço de quatro annos prezo sem ser ouvido, e terme com anos, q sou prezo do sto officio tam oprimido, avexado em ferros, tronco e reteudo sem remeterme, ou deferirme a li-vramto sendo hum Princepe, ecleziastico, de cuja in-justissa, e porfiada tirania se não serve Deus, nem vas Illmas tal permitem, q com o poder do sto officio moleste aos fieis como tem ouzado com mto empenhato E me quer acabar a vida na prizão como tem morto alguns, pois me deixou neste aperto sem antes, q fose remeterme, ou levarme consigo ao tribunal q tocassem essas culpas; q ora dis, q sou prezo de El Rei e outras vezes do sto officio, desta sorte, me tem morteficado. Vas Illmas sam christianissimos, e mto pius, q guovernão esse tam sto e soberano tribunal, recto, e de tanta justissa pa administrarem o q for mais conveniente ao serviço de Deus, e conservação de seus fieis como costumão. gde Deus as pessoas de vas Illmas por felices annos

emxovia rio de janeiro 17 de junho de 1692 annos. Prostrado aos pes de vas Illmas O Pe vo Franco guomes Sardinha etc

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXTSentence view