PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

CARDS1067

1692. Carta de Francisco Gomes Sardinha, vigário, para um membro da Inquisição de Lisboa.

Author(s)

Francisco Gomes Sardinha      

Addressee(s)

Anónimo111                        

Summary

O padre pede novamente à Inquisição de Lisboa que lhe seja concedida uma audiência.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Illmos Senhores

He notorio em todo este Bdo q o B D Juzeph de barros de Alarcam qdo prendeume foi da parte de S M q Ds gde por ordem q dise tinha, e com esta vos Real me teve oprimido na prizão ha dous annos reteudo sem recurço nenhum a Cauza pello q o fes, eu a darei e do modo q me formou os crimes qdo me vir na prezença de Vas illmas. Apurado eu de tam porfiada tirania, e nam deferir minhas petiçoens, nem darme Livramto ou remeterme ao tribunal q tocam esses crimes. Desta injustissa e violentia fis fuga e não da prizão em 18 de mayo fui a buscar o sagrado das Igrejas pa ir dar satisfação de mim a Vas illmas como tinha avizado, e o buscar recurço ao tribunal q tocasse. Tanto q me vio nesta Liberdade mandou publicar huma excommunhão, q era prezo do Sto officio, pa q me não valesem os fieis, e com esta vos atimidou a este povo, e as religioins valendose do brasso secular e tiroume do Colejo, e tem me mais oprimido com excecivo rigor carregado de ferros sem remeterme nesta frota visto dizer agora q sou prezo do Sto officio, me deixa neste aperto, dizendo q não he meu juis, e q tem avizado, con tenção de me acabar a vida nesta prizão; parecendolhe q os meus ecos, e clamores não cheguem a noticia de Vas illmas pa me remirem, e por cobro na facilidade con q se val do nome do Sto officio pa vingança, e molestar aos fieis; com esta vos prendeu a hum Lionardo de sáa con tanto estrondo e escandalo q o teve prezo, e oprimido com ferros o tempo, q lhe durou a payxão, sem cauza, nem culpa de prosesso, ao depois o soltou não guardando o decoro, e veneração com o respeito q se deve ao Sto officio sendo B e comissario. Vas Illmas são os que prezidem nesse Sto tribunal; asim como he de justissa pa castigar a culpados tambem he de mizericordia pa absolver aos innocentes: portanto pesso a Vas Illmas pellas sinco chagas de nosso Sor Jezu Christo me mandem remir por algum comissario, q logo me remeta com todas as culpas, e q me dem todos os papeis pa minha defeza q estão ja julgados no juizo eclesisastico, e sicular q mos negão a respeito do B, q tudo me empede e seu Vo gl e por seu gosto me quer fazer judeu, permitira Ds q constara a Vas Illmas a limpeza de meu sangue, e da familia, q procedo, q della ouverão mtos Princepes, eCleziasticos, e grandes columnas da Igreja, e meu irmão D Constantino Sardinha Rangel, he Bispo da xina e como me acho com a concientia segura não me temo das culpas q formou, q se eu logo tivera noticia avizara. Perdoem Vas Illmas a minha confiança q he nascida da minha excessiva, e dilatada prizão. as pessoas de Vas illmas gde Ds por felecissimos annos

cadea 20 de mayo de 1692 annos Com o divido respeito, e obedientissimo a Vas Illmas o Pe Vo Franco guomes Sardinha

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXTSentence view