PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

CARDS1049

[1617]. Carta de Alonso Carrillo de Albornoz, comediante, sob o nome falso Martim Lopes, para Fernando de Ataíde Vasconcelos.

Author(s)

Alonso Carrillo de Albornoz      

Addressee(s)

Fernando de Ataíde Vasconcelos                        

Summary

O autor tenta cobrar dinheiro ao destinatário, dando-lhe a alternativa de o ir angariar junto de terceiros.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Senhor D fernando

Por amor de Deos. não andemos en ninherias que os principes não he Rezão que digão que desconfião de Dinheiro e mais de Dinheiro tam pouco e com pessoa donde se pasa o que entre nos passa que se fora per paga o que eu fazo Com çem mill cruzados. não me pagavas os pensamtos quanto mais o que se intentar allem de que eu não sou tan Ruim que tam pouco Dinheiro me faza Rico, eu estou doente e pobre e fraco e que ate o setembro não me poso por em caminho e por malogrados cem cruzados fugira e ficara desgostoso a V m e con tal enemigo por tam poco Dinheiro // o mudarse a maim de Maria ana a suas casas de seu Veedor de V m foi porque como he muy velhas e muy doida e mariana não ha pode sofrer e se eu quiser fazer alguma Cousa en casa não quero testimunhas esta he a ocasião não outra asi Des nos de bom suçeso // V m Compre tudo e não se meta em cheiros que os hei de comprar, eu, e por vida sua de que de Caminho que me faza mr de mandar saver, de Dom fernando de acosta un jentil home do Visorrei se me fia na cantidade de q V m gastou e porque este estara longe da Rua nova entrese no confeiteria e Pregunte Per Luis mendez comfeiteiro e digalhe se me quer fiar en quenhentos cruzados este he homem humillde de quem sera façil cousa Cobrar logo que eu fugir Con seu Dinheiro de V m mas creo que he muito pouco pois Para duas mulas não ha; e ja que cai em tam ma Reputacam com V m eu lhe darei Para que faza um Contrato com aquelle homem V m sem perigo ninhum justo a seu gosto de que fique satisfeito e não me de Dinheiro e despois me dara Dous mill cruzados para que eu me posa curar e estar esperando minha vintura e V m Podera por ai fazer o que quiser, e dizer V m que ten dado muito e não visto nada Comfesolhe que tem gostado mas das tres cousas q V m me emcarrego agora nos ultimos Dias quis mais Ver seos Cavalos que velas e se V m se alembra sempre ficou Por V m o não se ter feito ate agora e lembrolhe que não sam falas de tan grande Principe Diçer que tem gastado pois save as neçesidades q tenho pasado quatro meses ha que Pudera eu aproveitarme de muitas mãos e tomar Dinheiro dellas que por pouco que forão estivera Vistido e oje estou dispido e com tam pouco credito com V m que não uso Comfiar de mi çem cruzados me diz que faz muito bem de descomfiar Pase embora que alguma hora savera V m que não sou Vilão // os te e dois Covados de tafeta lhe dise a V m que são mister e para que não Repare em cinco tostoins quem gasta tanto que mais importa uma Vontade desta mulher qdo a havemos mister que tam çivil dinheiro se V m quiser ir a Trindade estarei la pellas quatro horas e se for por diante sua descomfiança de V m Darlhe ha ao frade q sera maior domo de seu secreto; noso sor gde a V m

Martim Lopez

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXT