PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

CARDS1017

1659. Carta não autógrafa de António Fernandes da Mata para a irmã, Antónia Fernandes, e sobrinhas, Antónia Vicente e Isabel Vicente.

Author(s)

António Fernandes da Mata      

Addressee(s)

Antónia Fernandes                        

Summary

O autor dá notícias da sua vida familiar no Rio de Janeiro, lamenta a fraca produtividade sacarina e queixa-se da impunidade a que tem assistido por parte das autoridades eclesiásticas face ao marido de uma das sobrinhas. A carta foi escrita por um primo, Tomás Ribeiro.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

3 de Julho 1659 Jhũs Maria Minha irmã E sobrinhos

Como a Nao do lima faltou, E foi a Parnãobuco me faltarão cartas suas, nẽ o q as devia levar tratou de mas mandar dela como vierão outras por correo E como nella devião escrever, o não fizerão nesta frota, q sinti pello mto que dezejo novas suas, Delhe Deos a saude E vida, q essas orfans hão mister q suposto tronco velho sempre fara sua obrigassão como may, a quẽ mando minhas saudozas lembranças E a mas sobrinhas o mesmo E sua irmã E sobrinhos juntamte E todos nos encommendamos en suas orassõis. Eu passo meus custumados achaques, mas lembrasse Deos de em me aviventar tantos, pa ser tambẽ emparo de mas obrigassõis q duas filhas Cazei agora tenho outras duas a minha conta E a de Deos primeiramte q são a cazada como q se o não fora E sua fa minha neta molher feita E menino de que seu pai tão pouco ou nada se lembra nẽ eu tenho esperanças de vir e se Deos o levara la onde esta me fizera grde mce são tudo favores do ceo pa meu bem que os q nesta Vida tem perfeitos gostos serto he não averem de ter duas glorias sendo este mundo Vale de lagrimas. Não deixei de fazer mas diligencias o Vigario geral, q não ouve ate gora Perlado pa esse bom genro de Vm ser prezo E obrigareno a q fosse fazer Vida sua primra molher, mas as justissas deste brazill são de Compadres, E o interesse fas atabafar tudo. E indo o mesmo Vigario geral a vizitar essas partes donde elle esta Cazado, não fes por isso nada, E me disse lhe escapara auzentãdosse tudo falso. nesta frota veo Perlado, q parece mais zeloso se se lhe não pegar a tinha do interesse espero na Nao do lima novas cartas de Vms E justificassão, E veremos o q nisto podemos fazer. q bem nos parecemos na boa Ventura filhas q homẽ cria tantos trabalhos, pa tais gostos. Sintidissimo fico não poder mandar nestes navios hũa lembranssa de amor, he a cauza q neste anno não tive assuquere q pudesse embarcar por ser a novidade ruim, E alguã que deu pessimo q mais avião de ser os gastos do q elle valiria, assĩ q o vendi aqui a snor de navio q como elles não pagão fretes por os levarẽ en nao sua lhe tẽ outra conta q não ao dono do assuquar, E ainda o dinhro q por elle me derão, he a pagar daqui a sseis mezes depois da partida. Vira a nao do lima q he peçoa serta E nella mandarei, o q puder que ate gora fui dezempenhandome de gastos de minhas doensas E algũs negros q comprei fiados que sẽ elles não ha viver nesta terra. E assi escreverei mais largo, E ao nosso Padre tambẽ todos lhes mandamos infinitas saudades de amor, E lhes pedimos nos encomende a Virgẽ dos martires, E a sto Anto, q tambẽ de ca faremos o mesmo a Cujas peçoas gde nosso snor E lhes de bons sucessos en todas suas couzas. Amen.

de seu irmão d alma Anto frz da matta

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXTSentence view