PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

CARDS0156

[1829]. Carta escrita em português por José Moro, espanhol, preso, para uma destinatária não identificada.

Author(s)

José Moro      

Addressee(s)

Anónima11                        

Summary

O autor, um preso espanhol, responde a uma sua amante que lhe escreve para a cadeia de Belém.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Nada ha para mim mais sensível que tratar me de ingrato eu enqto que nao tenho dado ocasiao para isso a razão pr que muitas veces estou incomodado a gente que se acha nesta Casa sem coraçao e otras cousas mais porem nao preciso mais satisfaccao para que conheca o cuanto aprecio faço da pessoa, e que nesta temo a hinda me eu acho sempre dos seus atractivos. e agradeco favores que e ao carinho que tado, não decejo outra cousa a minha liverdade para lhe da minha amisade. e pr isso desejos são tão grandes liverdade sem demora, pessoa que se interesse estaria fora porem Lonje da minha patria, e privado de todos conhecímentos e recursos, nada posso Conseguir. ADeus meu Querido Bem acepta o coração saudozo do vosso Sincero amante

J M

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXT