PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

CARDS0043

1832. Carta não autógrafa de Luzia Bela do Carmo para Joaquim Alexandre Gravelho, preso.

Author(s)

Luzia Bela do Carmo      

Addressee(s)

Joaquim Alexandre Gravelho                        

Summary

Uma mulher conta ao destinatário, preso em Elvas e seu antigo amante, como padeceu ao longo de uma viagem.
Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

8 de julho de Mil de 832 Lavre Joaqm do C

Estimarei q esta te achar con pe saude en conpa de qm tu mais estimares eu ao fazer desta fico alguã couza doente, mais não he couza de cuidado estou mto molestada dos pes en parte nenhuma nos quizrão enbargar calvagada o motivo porq não trazeamos guia da sidade em montemor enbargarão foi porq o escrivão teve mta de mim e q en todas as terras todos dizião q mal empregada q na flor da minha edade de me ver de cadeas en cadeas pois eu a consolação q tenho asim q entro pa as cadeas não faço senão xorar da minha sorte ser tão enfelis e tudo por morte de ti queira Ds q esta prizão me sirva de emenda mandote participar q qdo xegue a montemor não trazia dinheiro qm se lenbra pa uma jornada de des dias darmes 8 tostois d não xegar a tostão por dia q foi tanta a minha enfelicidade q queria alugar uma cavalgadura por não poder caminhar mas tudo se remediou com alguns encamodos mas a maeor paxao q me aseste é estar olhando as mãos de otrem e querer comer e não o ter i eu vise qdo xegaci o pe de ti o dinheiro q me destes não o trazia com qm tens gasto mto gastasses o pouco q me destes ja me peza não trazer a minha capa pa onde xagei q me faltou o denheiro vendela apezar q me fas alguma falta mas ja agora pasiensia farei o gosto a algumas pessoas q o seu dezejo é verem xeia de trapos mas enqto puder não ei de fazer o gosto a nenhuma pessoa e q eu morro o pe de uma pareide se a minha prizão for demorada mas i deos quizer não á de ser porq todos me dão boa consolacão de q a minha soltura ser breve asim Ds quira q asim q xegar a Lisboa xamem a vezita q hinda tenho tensão de ir a essa sidade o q te peso q eu a não faças motivos o por donde de não me emxeres os ouvidos conforme os enxião qdo estava nessa sidade q qdo xegar primro q fale contigo ei de falar com outras pessoas pa me dizerem o teu comportamto pois na bespra q marxei bem recomendavão e q as mesmas pessoas de outras vezes me dizião tudo e agora se me desirem o mesmo podes contar q nem a sombra tua quero ver e se te comportares con alguns sentimtos por mim onde tu moreres ei de eu acabar pois asim o deves fazer de mostrares algum sentimto por mim porq os trabalhos q estou pasando deos e eu é q sabe e inda o q terei a pasar ate q Ds seja servido de me por na minha liberdade e o q te peso q te lenbres de mim com algum denheiro qdo o tiveres pois eu de ti o das minhas manas não me nem caza nen estante pois é o q mais tenho na lenbransa o q te peso asim q corosponderes a cousa me mandes logo dizer não me escrevas sem outro me mandar outra carta po te mandares dizer en q prizão fico mais sinto é não poder ficar numa sala tudo por não ter dinheiro pa a pagar asim irei pa as enxovias pa xorar mais a minha desgraça mais do q tenho xorado se falares com algũa pessoa da ma terra não lhe digas as minhas enfiliçidades pa não ir os ovidos da ma familia por não lhe dar mais desgosto do q tennho tido com isto te não enfado mais desta tua l

Luzia q a vida te dou ja pa minha consolacão joaqm o q te peso q fasas algumas pessoas mentirozas q me dezião q i marxando dessa sidade q avias de fazer pior do q tens feito asim so o q te peso é q te lenbres do q te mando dizer aseita este coracão saudozo xeio de tristeza pa mim nada a i de consolação depois q marxei dessa sidade inda os meos olhos se não enxugarão de me ver tão desgraçada e lonje da ma familia q me parese q ja não a ei de ver com o mesmo gosto q a via aDs ate a prima vista Luzia Bella do Carmo ainda espero en Ds de te ver e de te dar 1 abraco aDs Ds saudades A anna q mora defrontes Saudades o Silverio q não me quis falar qdo vin dessa sidade as mas pa conto a vista terão fim


Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXTSentence viewSyntactic annotation