PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
Maarten Janssen, 2014-

PSCR0527

1749. Carta de António Figueira de Jesus, sapateiro, para o seu pai, João Figueira.

SummaryO autor dá notícias suas ao pai e pede que este e a família o ajudem com os banhos do seu casamento.
Author(s) António Figueira de Jesus
Addressee(s) João Figueira            
From América, Brasil, Pernambuco, São Lourenço da Mata
To Madeira, Funchal, São Pedro
Context

Este processo diz respeito a António Figueira de Jesus, de 34 anos, cristão-velho, sapateiro, natural de São Sebastião, Câmara de Lobos, ilha da Madeira, acusado de bigamia pela Inquisição de Lisboa. O réu casara, em 1735, na igreja de São Sebastião, Funchal, com Valentina Francisca, moradora na freguesia de Nossa Senhora da Graça de Câmara de Lobos. Viveu maritalmente com ela durante cerca de seis anos, e dessa relação nasceram três filhos (duas meninas, que morreram, e um rapaz, António).

Segundo o próprio, após seis meses em São Lourenço da Mata, no estado de Pernambuco, Brasil, para onde entretanto emigrou, adoeceu gravemente, tendo sido dona Firmiana Luísa das Mercês quem o assistiu, com muito amor e carinho, pelo que, instigado pelo pároco da freguesia, que não sabia que ele era casado e que a sua mulher estava viva, se resolveu a casar com ela, a 18 de maio de 1744, dando fiança para os banhos do mesmo.

De Firmiana Luísa das Mercês não teve filhos, e com ela estava já casado há sete anos quando foi preso, a 16 de junho de 1755, altura em que lhe acharam nos bolsos três pares de botões de ouro de pulso e colarinho.

As cartas inclusas no processo foram remetidas à Mesa da Inquisição pelo comissário do Santo Ofício, Hugo Maguiere. Ao contrário do que é afirmado nas cartas, o pai de António Figueira de Jesus não se chamava João Figueira, mas sim Domingos Martins. Para se poder casar a segunda vez, o réu terá acrescentado o apelido de Jesus ao seu nome e alterado o nome dos pais, dizendo ser filho de João Figueira e de Maria da Encarnação. Consta do processo que o réu dizia chamar-se também Francisco Gomes de Sousa e que indicava outra naturalidade e outros nomes dos pais desde que estava em terras brasileiras. Após a sua prisão, terá fugido da cadeia de Pernambuco, aproveitando-se de um arrombamento, tendo sido depois novamente preso e levado para a cadeia de São Francisco.

O destinatário das cartas, o seu pai, vivia no Funchal, na freguesia de São Pedro, em casa de um genro seu, Pascoal Gonçalves, criado do Provedor, que fez a denúncia por meio do cura da Sé do Funchal, António Telo de Souto, o que levou à investigação do réu pelo crime de bigamia. Segundo declarações de Valentina Francisca, Domingos Martins, seu sogro, ter-lhe-ia mostrado as cartas nas quais o réu pedia ajuda para tratar dos banhos do segundo casamento. Embora o nome do pai tenha sido alterado pelo réu, sabia-se que se tratava da mesma pessoa, já que os nomes dos cunhados estavam certos. Em interrogatório, Valentina Francisca disse ainda que não recebia carta do marido havia cinco anos, e que da última vez que lhe escrevera tinha enviado também um saco de farinha de pão.

António Figueira de Jesus foi condenado a 20 de setembro de 1971 a 4 anos de degredo para Elvas, onde alegou ter passado muita fome e necessidades.

Support meia folha de papel não dobrada, escrita no rosto e no verso.
Archival Institution Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Tribunal do Santo Ofício
Collection Inquisição de Lisboa
Archival Reference Processo 2650
Folios 42r-v
Online Facsimile http://digitarq.arquivos.pt/details?id=2302579
Transcription Leonor Tavares
Main Revision Catarina Carvalheiro
Contextualization Leonor Tavares
Standardization Raïssa Gillier
Transcription date2015

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Meu Pay e Sor João figuera

Não sei ja a conta das cartas q tenho escrevido a Vmce e aos sonhores meuis cunhados sem ter tido reposta de nemhuma athe o prezente porem como vim dezejozo de saber da saude de Vmces p hessa rezão he q me canço a escrever tanto eu não escrevi no navio de ça coando ça esteve em corenta e sete p estar doente no tempo q ele estava pa partir boteime pa o Re a mandar cartas a Vmces e o navio tinha ja partido dois disas antes q eu foçe não tive essa fortuna suponho que Vmces ja serão sabedores q eu estou cazado ja a sinco annos cazeime na era de mil e setesentos e corenta e coatro a dozoito de maio tenho pedido a Vmces todos nas cartas q escrevo me mandem os meus banhos despaxados em fama dereitos q me estou vendo apertadicimo p os banhos o fiador apertado eu apertado não sei como me veijo isto ça apertase mto e pagaçe todos os anos se acrecenta cada ves mais a porção asim q não lhe posço emcomendar mais a Vmces todos os parentes e padrinhos emvio minhas lcas e a todos os mais conhecidos eu não tenho perdido as esperancas de ver a Vmces todos pq ainda faco tencão daqui mais a par de annos hir a tera ainda q ja não tenho aquele gosto de ver minhas irmã q ça tive novas pelo navio da tera q herã mortas o coal sentimto so p morte se me acabara eu cazei me nesta tera p Ds o ter prometido não q eu o coidase porem como cazei com huã mulher branca cristamvelha das pricipais da tera com seuis parentes quilerigos e não cazei com fazenda porem não careço pa pacar de pedir p mce de Ds Vmces coando fizerem la os banhos minha mulher se xama D Firmiana Luiza Gomes das merces meu sogro ja he morto xamavaçe Domingos Gomes Xaviel minha sogra he viva p mce de Ds xamaçe D Anna Ma de mellos de albuque são naturais moradores desta freguezia de São Lco De S Lorenco da mata de pernabuco donde estou morador mesmo dentro da matris fora da cidade de olinda seis legoas, e he o q se me oferece a dizer a Vmces e coando Vmces mandarem os banhos seje p pca segura e mande dizer o q custarem pa eu mandar sastisfazer se vier navio da tera pa ça mande e coando não p São miguel p o portador q eu agora escrevo q he homem p nome Jozeph tavares rapozo q me dis tem hido mtas vezes a terra e seuis cunhados p ele pode Vmce mandar afoitamte q he seguro e coando ele não va pa a tera emvi Vmces a são Miguel a ele pa remeter pa ça q elle o fara eu não mando sinal de amor a Vmces pq temo não seje como as cartas q nunça xegaro no q me parece e não tenho mais que me oferecer a Vmces nestas partes do q ficar sempre sugeito aos seuis mandados como tenho de obrigasão fazer e peço a Vmce me não falte com sua bencão e sua filha tãobem lha pede emvia suas lcas a minha irma e cunhados e parentes e se ofereçe p criada de Vmces e Ds Gde mtos annos São Lorenco da mata 18 de abril de 1749 annos

de Vmce Meu pay e senhor João figuera filho mto obediete e omilde athe a morte Antonio figuera de Jezuis

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload text