PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

PSCR1158

1594. Carta de João de Morais, pseudónimo de Francisco Rodrigues, mercador, para o filho, Manuel Rodrigues, mercador.

SummaryO autor dá instruções ao filho sobre como gerir os negócios; pede-lhe também que saia do Reino e se junte aos pais.
Author(s) Francisco Rodrigues
Addressee(s) Manuel Rodrigues            
From España, San Sebastián
To Portugal, Lisboa
Context

Há três cartas da autoria de Francisco Rodrigues, embora assinadas com o nome João de Morais, que se encontram no processo de Custódio de Carvalho, sacerdote, coadjutor da Igreja dos Mártires de Lisboa, homem com parte de cristão-novo. Custódio de Carvalho era tio de um cunhado de Francisco Rodrigues, Bento Dias. No início de 1594, Francisco Rodrigues andou fugido à Inquisição, escondendo-se durante umas semanas em casa de Custódio de Carvalho e embarcando de seguida para fora do Reino. Nos finais de 1594, encontrava-se em Sevilha, de onde enviou a correspondência aqui em causa. Custódio de Carvalho, que entretanto fora denunciado por ter ajudado Francisco Rodrigues a esconder-se e a fugir, entregou as três cartas na Mesa do Santo Ofício a 22 de dezembro de 1594, afirmando que lhe tinham sido entregues por um correio de pé, e que vários indícios o tinham levado a "suspeitar" que, embora assinadas com outro nome, eram da autoria de Francisco Rodrigues.

Support uma folha de papel dobrada, escrita no rosto do primeiro fólio e com sobrescrito no verso do segundo.
Archival Institution Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Tribunal do Santo Ofício
Collection Inquisição de Lisboa
Archival Reference Processo 3526
Folios 10r; 11v
Online Facsimile http://digitarq.arquivos.pt/details?id=2303484
Socio-Historical Keywords Teresa Rebelo da Silva
Transcription Teresa Rebelo da Silva
Main Revision Catarina Carvalheiro
Contextualization Teresa Rebelo da Silva
Standardization Catarina Carvalheiro
Transcription date2015

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

são sebastião a 28 de nro de 94

esta faço posto que me pareçe te não achara ja nesa tera e pto que me tem espantado não ter carta vossa ha tanto tpo nẽ novas do q la passa q nos tem dado mta pena e pois as cartas são ptas plo areio não te deixas hemfadar de escrever. tanbẽ escrevi a Rui llopes hũa ou duas sobre ho negoçeo das rendas q lhe dizia q lhas não dava de todo o qto tivese esperãocas de remedio de lhe poder tornar arecadar ptanto de tudo ouveras de ter mto cudado avisar espeçiall do q fazes e de tuas irmãs e de todas as cousas q te ficarão a carguo pa arecadar e tanbẽ o ladrão do mullato se foi la ter q se foi de qua e pezoume estremo plo Risqo q iso tem portanto se la estiver pom cobro nelle ou o traze cõtiguo ou ho deixa a mel mẽdez querendose svir delle como te tenho iscrito E ha mullata vende se te pareçe q la não avera esperãoça de remedio como se tem dito e faze por vires ter comnosquo ho mais prstes q puderes e arecada tudo o q poderes mto bem q ho dro he agora bõm de gastar e mãoda Ajuntar ho dro do tro d azanbuja tem a recado e não no gastes e tudo traze mto recado e não cures de gastar ho teu mall gasto do q sen ele te ficaras E halen diso ficaras perdẽdo de tua onra e não acresẽtaras nada na minha e porq ficamos esperando por ti cedo qdo não fores partido ds te tragua sua guoarda e a sua bensão e a minha te ẽvio e tua mai te ẽcomẽda tuas irmãs mto q has deixes e se for necesario qdo te vieres

de voso pai João de moraes

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXTSentence view