PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
Maarten Janssen, 2014-

PSCR0650

1741. Carta de Manuel Rodrigues para o seu cunhado, Luís dos Santos, carpinteiro.

SummaryO autor faz uma reclamação ao cunhado por este ter pedido a um estranho para saber novas da família.
Author(s) Manuel Rodrigues
Addressee(s) Luís dos Santos            
From Portugal, Lisboa
To América, Brasil, Pará, Belém
Context

O réu deste processo é Luís dos Santos ou Luís André, acusado de bigamia. Após ter casado em Portugal com Domingas Rodrigues, aos treze anos, e de ter com ela vivido maritalmente por um ano ‒ casamento do qual nasceu uma filha chamada Maria -, Luís dos Santos teve de ir a Lisboa e, ao saber da frota para o Maranhão (Brasil), para lá se ausentou. Casou-se lá com Catarina Correia de Oliveira e com ela teve cinco filhos. O caso soube-se e, apesar de o processo já decorrer desde 1737, duas acusações foram formalmente feitas à Inquisição em 1744 por Manuel Cruz, cónego, a quem Luís dos Santos dirigira uma carta para saber da sua família em Portugal (PSCR0652), e por Manuel Rodrigues, homem residente no Brasil, que não conhecia diretamente o acusado. Luís dos Santos seria posteriormente sentenciado a açoites públicos e a cinco anos de degredo nas galés, de onde fugiu, tendo sido novamente sentenciado (Processo 516-1 da Inquisição de Lisboa) a cinco anos de degredo para as galés. Como prova da condição marital do réu, neste processo estão inclusas oito cartas, duas das quais da sua primeira mulher (PSCR0642 e PSCR0649).

Support meia folha de papel não dobrada, escrita no rosto.
Archival Institution Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Tribunal do Santo Ofício
Collection Inquisição de Lisboa
Archival Reference Processo 516
Folios 36r-[37a]v
Online Facsimile http://digitarq.arquivos.pt/details?id=2300390
Transcription Mariana Gomes
Main Revision Raïssa Gillier
Contextualization Mariana Gomes
Standardization Raïssa Gillier
Transcription date2015

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

J M J Portugal Lizboa 18 de maio de 1741

Meu primo Cunhado e senhor Luiz dos Santos esteimarei que estaz duas regras achem a vmce Con perfeita saude en conpanhia de quem vmce mais dezejar que eu de saude fico pa Servir a vmce e toda a gente de caza fica boa pa obedeser a sua pesoa en toda a ocaziam que vmce ser servido e se recomendam com mtas saudades e lenbrancas.

Meu Cunhado e senhor Luiz dos Santos ademirome munto vmce mandar pedir a hum estranho Sabendo Vmce aonde eu moro, não hera nesesario vmce ocupar outra pesoa estranha porquanto não podia dar noticia serta melhor do que eu porque eu tenho senpre Carta da terra e vmce dis na que escreveo a thome de miranda que ha trez anos não tivera Carta eu todaz az frotaz lhe remeto Carta a ultima Levou hum religiozo Dezta cidade que foi meu vizinho que ja agora estara profeço que se chama frei Anto de Caetano, que me mandou dizer na que escreveo que a remeteo por hum frade agora espero a resposta dezta pera a primeira ocaziam nesta terra não ha novidade por ora veja vm Se tenho algum prestimo nesta corte que Con todo o gosto serverei dez espero Sem falta a resposta Con isto Goarde Ds a pesoa de vmce ptor mtos anos Deste Seu servo cunhado mto amte

Manoel Rodriguez

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload text