PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

PSCR0070

[1535-1542]. Carta de Dom Duarte de Portugal para Dona Isabel Moniz, sua mãe.

SummaryO autor compromete-se a cumprir um desejo da mãe e a empregar o filho do almoxarife Lopo de Abreu quando tal se proporcionar.
Author(s) Dom Duarte de Portugal
Addressee(s) Isabel Moniz            
From Portugal, Guimarães, Santa Marinha da Costa
To Portugal, Guarda
Context

A destinatária desta carta é a religiosa Dona Isabel Moniz, filha de um alcaide de Lisboa apelidado de "o Carranca" e moça de câmara da Rainha Dona Leonor, mulher de D. Manuel. Dona Isabel Moniz teve dois filhos do rei D. João III antes de ele contrair matrimónio com a rainha Dona Catarina de Áustria: Dom Duarte e Dom Manuel, que nasceu morto. Em 1561, Dona Isabel Moniz dirige uma carta à rainha Dona Catarina, cujo tema é o adiantamento de uma verba de 20 mil cruzados para que possa prover a uma sua sobrinha, filha da sua irmã Dona Cristina. Nesta afirma à rainha e mulher de D. João III que é a mãe de Dom Duarte, filho ilegítimo deste monarca e autor da carta aqui publicada (Corpo Cronológico, Parte I, mç. 104, n.º 35).

A educação de Dom Duarte de Portugal ficou a cargo de frei Jorge de Évora. Em 1532, entrou para o Mosteiro da Penha Longa, em Sintra, passando em 1535 para o Mosteiro de Santa Marinha da Costa, em Guimarães, onde cumpriu os seus estudos. Em 1542, saiu do Mosteiro para ir a Sintra ser legitimado pelo rei, seu pai. Neste mesmo ano, o monarca pede ao papa Paulo III que faça do seu filho arcebispo de Braga, o que foi aceite, com a condição de a nomeação ser efetivada quando cumprisse o seu 27.º aniversário. Tal não chegou a suceder pois Dom Duarte faleceu no ano seguinte, em 1543, com apenas 22 anos, vítima de febres.

A carta aqui transcrita foi redigida no período em que Dom Duarte de Portugal esteve em Guimarães (1535 e 1542). Foi encontrada no fundo Coleção de Cartas, unidade de instalação Cartas Missivas e outros Documentos. É uma unidade que agrupa, em 4 maços, documentos dispersos de datação incerta ou incompleta. A partir da informação interna da própria carta, tenta-se inferir datas extremas e dados que a situem e, de alguma forma, a contextualizem.

Support uma folha de papel dobrada, escrita nas duas primeiras faces e com sobrescrito na última.
Archival Institution Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Colecção de Cartas
Collection Cartas Missivas e Outros Documentos
Archival Reference Núcleo Antigo 878, Documento 195
Folios [1]r-[2]v
Socio-Historical Keywords Maria Teresa Oliveira
Transcription Tiago Machado de Castro
Main Revision Raïssa Gillier
Contextualization Tiago Machado de Castro
Standardization Raïssa Gillier
Transcription date2015

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Sora

Despois de ter espta hũa a vm po o leçençeado me derão outra q trouxe ho moço seu cryado na quall me relatava su melhoria de sua infermidade com q mto folgey e dey po yso mtas graças ao sor ds ao quall apraza conSvarlha po muytos annos seu sancto Sviço e poq sei q vm Folgara de ouvir novas de mỹ digo q fico de saude e muy bẽ desposto noso sor seja louvado / Quanto ao q vm me mãda q faça açerca de tomar quando for tẽpo o filho de lopo d abreu almoxarife de s a diguo q me apraz de pa esse tẽpo fazer tudo yso q vm me manda nesta sua e mto folguara de loguo poderlho ho poder fazer mes tenho liçença de s a pa yso e per nenhũa via ei de fazer cousa contra seu mandado e ordenanca mes vindo tempo q ho posa fazer daqui affirmo a vm de o fazer e asy lho pode prometer po tão firme como se ja na mão ho tivese / e quanto ha ysto a mais q dizer senão q me ẽcomẽdo vm e orações das madres.

da Costa a trimta dias do mes de março duarte

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXTSentence viewSyntactic annotation