PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

CARDS6269

1803. Carta de António José de Matos Garrido, bacharel, para António José de Mesquita, procurador de causas.

SummaryO autor entrega um papel com as despesas que o destinatário deve cobrar junto de um terceiro.
Author(s) António José de Matos Garrido
Addressee(s) António José de Mesquita            
From Portugal, Torres Vedras, Vila Franca de Xira
To S.l.
Context

Luís Correia da Fonseca testemunhou ter ficado pronunciado na devassa geral da Correição de 1803, pela falta de cumprimento das suas obrigações de Almotacé. Foi preso na última semana do mês de setembro, durante 5 ou 6 dias. No mesmo dia em que o prenderam, apareceu o procurador-agente António José de Mesquita, dizendo-lhe que, se queria sair depressa, deveria dar-lhe 8 moedas. Como Luís Correia da Fonseca desconfiava que o recado tivesse tido origem no doutor António José de Matos Garrido, advogado, dirigiu-lhe uma carta (fl. 5r ‒ CARDS6265). Respondeu-lhe António José de Matos Garrido, confirmando-lhe que, "havendo dinheiro, tudo se fazia em segredo". Consequentemente, Luís Correia da Fonseca enviou as 8 moedas, pagamento confirmado pela segunda carta do processo (fl. 6r ‒ CARDS6266). Mas António José de Matos Garrido voltou a pedir mais dinheiro, agora 3.200 réis, que também lhe foram entregues (fl. 4r ‒ CARDS6263). No final, e depois de pagar um total de 41.600 réis, Luís Correia da Fonseca foi solto. Porém, pedindo a sua sentença, não lha entregaram. Tornou-se, então, um escândalo o facto de António José de Matos Garrido ter tirado tanto dinheiro a um preso para lhe vender a liberdade. Alegou-se que nos 5 ou 6 dias em que esteve preso, era impossível ter-se feito tamanha despesa, muito menos num insignificante livramento. Luís Correia da Fonseca pretendeu que se tomasse em consideração o escândalo, e que se fizesse justiça. No processo que instaurou, foram evocados casos similares. Assim, também Vitorino José de Almeida, cirurgião e morador em Vila Franca de Xira, tinha sido alvo das mesmas tentativas de extorsão por parte do advogado António José de Matos Garrido e do procurador António José de Mesquita. Igual caso se tinha passado com o padre Nicolau Gaudêncio do Sacramento, acusado de mancebia com Tomásia Maria. O advogado António José de Matos Garrido e o procurador António José de Mesquita também lhe tinham garantido que, em troca de dinheiro, lhe concederiam a carta de seguro.

Archival Institution Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Casa da Suplicação
Collection Feitos Findos, Processos-Crime
Archival Reference Letra V, Maço 9, Número 12, Caixa 16, Caderno [14]
Folios 8 Apenso 13
Transcription Leonor Tavares
Main Revision Rita Marquilhas
Contextualization Leonor Tavares
Standardization Catarina Carvalheiro
POS annotation Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Transcription date2007

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Snr Mesqta

Leeia, e rasgue He percizo que v me tire oje o Sugeito 6400 pa despezas ja feitas, e que agora se fazem regulando-se pelo papelinho que remeto, pondoo de aCordo pa dinro pronto pela percizão q ha de ser sentenciado antes da vinda do Corregor em qm se não ache favor antes algum degredo se for ele o que os sentenciou: logo q chegar o Escrivao faça sentenciar se ja estiver chigado tambem o Juis pa o fazer

Despeza que deve ja pagar-se Carta de seguro da mer aprezentacao, e Camo 1600 o mo do sugeito 1600 Citacois pa ver jurar testas a hum, e outro 1600 inqueridorias, e Camo 1600 6400


Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXTSentence view