PT | EN | ES

Main Menu


Powered by TEITOK
© Maarten Janssen, 2014-

CARDS1101

1735. Carta de Francisco Xavier Teixeira, funcionário dos Correios, para António Silva, meirinho da alfândega.

SummaryFrancisco Xavier Teixeira escreve ao amigo António da Silva para lhe dizer que encontrou a sua filha e contar o resultado da conversa que tiveram
Author(s) Francisco Xavier Teixeira
Addressee(s) António da Silva            
From Portugal, Lisboa
To S.l.
Context

Este processo diz respeito ao padre João de Sousa Paiva e Amorim, natural da Vila de Barca, sacerdote do hábito de S. Pedro e escrivão da câmara do Isento de Refoios (Cabeceiras de Basto, Braga). O padre foi preso a 11 de novembro de 1735 porque se ordenara ilegalmente. Casara-se com Teresa Maria Pereira, mas ela teria cometido adultério e os dois separaram-se, se bem que não tenha havido realização judicial do divórcio. O réu decidiu ordenar-se padre ainda legalmente casado, com "reverendas falsas do Bispo de Lugo, do Reino da Galiza". A ordenação ocorreu em 1734, sendo Teresa Maria Pereira viva e estando a morar em Lisboa, pois fugira para a capital. Teresa Maria Pereira era filha de António da Silva, meirinho da alfândega e natural de Valença. A Inquisição fez várias diligências junto deste para tentar saber o paradeiro da filha em Lisboa. O pai foi chamado ao Santo Ofício para ser interrogado e disse que recebera uma carta (que não consta do processo) de sua filha de Lisboa, sem indicação da morada, e que nessa carta ela pedia ao pai para lhe confirmar a notícia de que seu marido, João de Sousa Paiva e Amorim, se tinha ordenado padre. Nessa mesma carta, Teresa Maria Pereira pedia ao pai que respondesse por via de Francisco Xavier. Assim aconteceu. O Santo Ofício continuou a insistir com António da Silva para que localizasse a filha em Lisboa. A carta aqui transcrita, que recebeu de Francisco Xavier (natural de Valença, funcionário dos correios em Lisboa), a dar notícias de Teresa Maria Pereira, foi entregue à Inquisição de Coimbra, tal ficara combinado. O réu, João de Sousa Paiva e Amorim, foi condenado ao degredo por 4 anos, para o Bispado do Porto, e foi proibido para sempre de exercer o cargo religioso de padre das ordens que recebera.

Support meia folha de papel dobrada escrita no rosto e verso
Archival Institution Arquivo Nacional da Torre do Tombo
Repository Tribunal do Santo Ofício
Collection Inquisição de Coimbra
Archival Reference Processo 6275
Folios 29r-v
Transcription Ana Guilherme
Main Revision Clara Pinto
Standardization Catarina Carvalheiro
POS annotation Clara Pinto, Catarina Carvalheiro
Transcription date2009

Javascript seems to be turned off, or there was a communication error. Turn on Javascript for more display options.

Ant da Sa

Meu amo e S Dezte vnr recebi huã carta de Vm q eztimei por ver q Vmce Lograva boa Saude pa se Servir da minha em ocazioins de Seu Serviço a q nao faltarei No q respeita a Sua fa de Vmce eu alguãs vezez tenho fallado com ella porq Sempre me dei a conheçer e ella me dice q queria hir pa Sua compa de Vm ao q eu lhe rezpondi q pa isso hera necessr veztir nova pelle o q ella não Sei Se fol-gou de ouvir, e dez então nunca maiz a Vi nem Sei adonde aSizte maz fica por minha conta o Saber isso porq o Mte de S Jorge me falou nisso e tambem faz delegincia por lhe fallar pa q não Sei So Sim me diz q lhe hera percizo Mt gra q Sei pa Seu bem como Supp Será: A carta q vmce me mandou a mandei emtergar q a mim neztez diaz não me he possivel essa dilligcia a rezpozta a remeterey em a dando: Veja Vmce Se lhe sirvo nezta terra de alguã couza q Sempre me tem a Sua obeda Ds gde m ann

Lixa Cide 11 de Setro de 1735 Anto da Sa De vmce a e mto V Franco Xavier Teixra

Legenda:

ExpandedUnclearDeletedAddedSupplied


Download XMLDownload current view as TXTSentence viewSyntactic annotationManuscript line view